Uma análise aprofundada sobre o início de temporada do Sporting

Com 1 vitória, muito sofrida diga-se em abono da verdade, e 3 empates para o campeonato, com a estreia na Champions no horizonte (na quarta na Eslovénia) este arranque de temporada do Sporting Clube de Portugal tem sido tempestuoso, estando muito aquém daquilo que os responsáveis leoninos projectaram no início da temporada e pouco coadunante perante os objectivos a que estes e o seu treinador se propuseram aquando do início dos trabalhos. Este início tortuoso do Sporting pode ser explicado por várias razões:

1- Assumindo como objectivo o título nacional… depois de uma temporada na qual Bruno de Carvalho, recebendo um clube vindo da pior temporada da sua longa existência, conseguiu avaliar os podres existentes na sua casa e varrer para fora do clube de Alvalade alguns dos dossiers incómodos com relativos sucessos desportivos e financeiros, nada mais lhe seria pedido do que perspectivar a devolução da sua equipa futebol à luta pelo trono do futebol português.
A mais recente história do clube leonino está cheia de objectivos altos e fracassos. Basta referir que nas últimas 15 temporadas, apenas por uma vez conseguiu o clube de Alvalade conquistar o título nacional sempre que um dos seus presidentes apostou na temporada de modo a conseguir esse objectivo. Longínqua vai a temporada 2001\2002, temporada em que a profetização de tal objectivo foi cumprida. Desde então, em 6 temporadas diferentes, após a construção dos chamados anos-zero, vários presidentes objectivaram (e apostaram forte) na conquista do título e por 6 vezes, na minha opinião, vários treinadores (José Peseiro, Paulo Bento, Domingos Paciência\Sá Pinto) falharam redondamente os objectivos das várias direcções do Sporting Clube de Portugal. Tais factos, fazem-me acreditar que sempre que um presidente do Sporting objectiva a conquista do título (a última vez que o foi feito no clube de Alvalade, na temporada 12\13, a época redundou naquela que é considerada por todos os sportinguistas como a pior época de sempre) existe uma propensão maior para o erro e para a execução de uma época pobre a todos os níveis.

Para se prosseguirem objectivos altos no futebol, são precisos investimentos fortes e seguros… A estrutura do futebol leonino, devidamente hierarquizada, cujo topo da cadeia e única voz de comando é o seu presidente, firmou-se na temporada passada com um nível de implementação quase total em Alvalade. Bruno de Carvalho iniciou esta temporada desportiva como o verdadeiro patrão do clube de Alvalade. Após a saída de Leonardo Jardim para o Mónaco, Marco Silva foi contratado como uma escolha pessoal do presidente. Inácio tem a missão de encontrar jogadores que agradem ao seu treinador e se enquadrem no plantel leonino. Inácio reporta todo o seu trabalho ao presidente. Seria de esperar que o novo treinador quisesse aproveitar a estrutura construída na temporada passada por Leonardo Jardim e lhe quisesse acrescentar unidades em sectores nos quais o Sporting revelou alguma carência (a inexistência de um concorrente a Jefferson na esquerda, a inexistência de uma 2ª unidade mais coesa na direita da defesa, dois ou três centrais, havendo primariamente uma noção que a equipa precisava de alguém para constituir uma dupla com Eric Dier em caso de lesão dos titulares e secundariamente a hipótese de Marcos Rojo sair, ou do argentino e Eric Dier sairem do clube; outro trinco, um jogador capaz de ser criativo no miolo e possivelmente mais um ponta-de-lança).

A política de compras do Sporting no início desta temporada foi confusa. Estando o clube sem possibilidades financeiras conjunturais de contratar a preços elevados, uma das ferramentas muito utilizadas pelos clubes para poderem contratar jogadores sem terem que dispender valores elevados (com ou sem capitais próprios) seria a possibilidade de “jogar” com um fundo de investimentos. O presidente do Sporting escolheu o verão de 2014 para comprar uma guerra contra os fundos na questão Marcos Rojo. E os fundos, sem confiança na política de mau pagador do Sporting, afastaram-se irremediavelmente de Alvalade.

A política de compras de um clube sem grandes possibilidades financeiras mas com objectivos muito altos, deverá assentar obrigatoriamente na contratação de jogadores experientes, com provas dadas, capazes de acrescentar qualidade às soluções de plantel. A direcção do Sporting fez o contrário: contratou jovens sem experiência (Jonathan Silva, Ryan Gauld, Hedy Sacko, Naby-Sarr Slavchev) e jogadores mais ou menos maduros que não estavam a competir neste, casos de Oriol Rosell, Tanaka, Ramy Rabia. Se os primeiros ainda não tem a experiência necessária para alinharem numa equipa com os objectivos a que se propôs o seu presidente, os segundos, assim como o lateral Jonathan Silva, ainda terão que se adaptar ao futebol europeu e em particular ao futebol português. Quase todos terão que se adaptar às exigências do seu novo clube. Um clube que pretende ser campeão num campeonato muito competitivo no qual outro dos candidatos investiu muito em jogadores com um nível de experiência e até com uma qualidade firmada noutros clubes que os jogadores contratados pelo clube leonino não têm neste momento; e perante outro candidato que mal ou bem, com ou sem vendas, vai andando porque tem um treinador que arrisca, que trabalha bem com o que tem e que todas as épocas optimiza na perfeição bastantes jogadores, não poderá ter como alternativas de plantel jogadores que deverão demorar meses a adaptar-se à realidade do clube, à realidade do futebol português e à identidade que o seu treinador pretende para a equipa.

Concorrendo para a corroboração do que escrevi no parágrafo anterior, também seria expectável que, à semelhança do que 99% dos clubes mundiais fazem, os alvos a atacar no mercado sejam jogadores escolhidos pelo treinador. No futebol moderno, quem analisa e trabalha directamente com a equipa (o treinador), deverá ser o principal responsável pela requisição do clube nos mercados. O que estamos a assistir na presente temporada do Sporting parece ser a realidade de um clube no qual Marco Silva não deverá ter pedido metade dos reforços que recebeu. O Sporting depenicou aqui e ali, certamente nas soluções mais baratas que vários olheiros e empresários foram recomendando, investiu para o futuro é certo (Sacko e Gauld tem potencialidades para se tornarem dois excelentes activos do clube dentro de 1 a 2 temporadas) mas não investiu para poder dotar o plantel do antigo treinador do Estoril de soluções válidas para este atacar o título: Jonathan Silva não terá o mesmo nível de Jefferson quando for chamado a substituir o brasileiro; Ramy Rabia chegou lesionado; Sarr é uma autêntica nódoa e é neste momento um dos motivos pelo qual o Sporting somou 6 pontos em 12 possíveis, Sacko, Gauld e Slavchev foram demasiado caros para jogarem na equipa B (6,7 milhões de euros) e do bulgaro, seja eu sincero, ainda não vi nada que me motivasse a afirmar que os 2,5 milhões dispendidos ao Litex Lovech foram bem gastos. O jogador tem um potencial desconhecido, ou até falta dele.

As saídas… Depois de uma temporada desportiva na qual alguns activos do clube valorizaram, até pelas dificuldades financeiras pelas quais o clube tem passado, seria expectável que o Sporting realizasse uma ou outra venda de destaque. Durante o defeso, deverão ter chegado a Alvalade diversos pedidos de informação sobre as designadas jóias da coroa. Sendo activos que permitiam um encaixe considerável para o clube, alguns deles valorizados por interessantes participações no Mundial (é inegável não reconhecer a grande prova do futebol mundial como a prova que mais activos é capaz de valorizar no cenário competitivo) deverão ter chegado a Alvalade pedidos de informação e propostas sobre os maiores activos da SAD Leonina, ou seja, Islam Slimani, William Carvalho, Rui Patrício, Adrien, Marcos Rojo e Diego Capel.

Neste momento, é política imposta por Bruno de Carvalho no clube uma política de limitação salarial que impede claramente a SAD leonina de segurar pela via da renovação contratual os seus melhores jogadores. O presidente aplicou a necessidade do clube expelir todos aqueles vindos da anterior administração que auferissem salários acima dos 500 mil euros líquidos anuais bem como a fixação de um limite salarial para os contratados pelo clube na mesma ordem. Assim sendo, jogadores como Slimani (250 mil euros anuais de salário) Marcos Rojo (800 mil euros), Eric Dier (auferia perto de 200 mil euros anuais) seriam facilmente seduzidos a excelentes propostas vindas do exterior, não podendo o Sporting cativar o jogador a ficar com propostas de renovação de contrato superiores aquelas que foram cabalmente fixadas pelo seu líder directivo. Se o primeiro concordou em ficar pelo menos mais uma época mediante a renovação do seu contrato para valores pouco acima do tecto salarial (cerca de 600 mil euros porque Bruno de Carvalho reconheceu que a permanência do argelino durante mais uma época é importante do ponto de vista desportivo e financeiro; Slimani poderá ser o 2º maior activo do clube no final desta temporada, podendo existir propostas perto dos 15 milhões de euros no final desta temporada), os dois centrais (titular e expectável titular caso o argentino fosse vendido) facilmente foram seduzidos pelas libras de Manchester United e Tottenham, propostas que o Sporting jamais poderia cobrir.

Enquanto a política salarial do Sporting seja comezinha, o Sporting não poderá atrair grandes artistas. E a ausência de grandes artistas no seu espectáculo, em suma, de uma equipa competitiva poderá demonstrar o efeito (inverso) para o qual Bruno de Carvalho tem lutado durante esta mandato: em vez de reaproximar cada vez mais os adeptos dos portões do estádio, estes irão afastar-se ainda mais de uma equipa potencialmente pouco competitiva e acima de tudo pouco vencedora. O presidente nunca escondeu que o clube poderá passar a maior travessia do deserto da sua história caso as receitas geradas com a bilheteira e com a quotização desçam a pique.

Marco Silva já leva 3 meses de trabalho… Quando Marco Silva assumiu o comando técnico do clube leonino, quer queiramos quer não (a desculpa do facto do clube ter perdido 2 centrais) assumiu um plantel com uma estrutura criada pelo seu antecessor. O facto do plantel do Sporting ter uma identidade de jogo construída não implica que o novo treinador traga e tente aplicar no método de trabalho do clube novas ideias e novas metodologias de treino e abordagem ao jogo. Contudo, o seu trabalho foi imensamente facilitado por Leonardo Jardim. Marco Silva optou por aproveitar o bom trabalho executado pelo seu antecessor, mas, por ora, ainda não se vê qualquer evolução trilhada durante todo o seu trabalho no comando técnico do clube. Posso inclusive dizer que equipa está a jogar pior do que aquilo que jogava com Jardim.

Se com Leonardo Jardim, a equipa jogava um futebol flanqueado satisfatoriamente fluído, toda essa fluidez desapareceu com Marco Silva. A equipa está mecanicamente adaptada para jogar para os flancos, extremamente previsível e sem qualquer rasgo de criatividade pelo miolo, apesar de, Nani constantemente procurar o centro do terreno para criar desequilíbrios. Marco Silva também tem utilizado Carlos Mané para as mesmíssimas tarefas. Os resultados ainda não foram visíveis.

Se defensivamente a saída de Rojo e as entradas de Sarr e Paulo Oliveira abalaram a estabilidade defensiva que Jardim construiu no ano passado (o argentino era peça fulcral nesta mesma estabilidade), Marco Silva tem apostado neste início de época no francês em detrimento do sólido central vindo do Vitória de Guimarães. E Naby-Sarr está a provar porque é que não era opção no modesto Lyon: é um central fraquíssimo do ponto de vista técnico e posicional. Sendo um central lento e desengonçado, jogar nas suas costas torna-se um objectivo de fácil realização para todos os avançados; é instável no desarme e comete erros infantis quando é chamado a abordar um avançado no 1×1; posicionalmente nunca se encontra no sítio onde deveria estar; tem imensas dificuldades em sair a jogar).

Outra das peças-chave da estabilidade defensiva leonina (William Carvalho) anda longe de nos deslumbrar novamente com o futebol que praticou no ano passado. Fora de forma, longe dos indíces físicos que garantem uma autêntica limpeza do seu perímetro de acção de 40 metros, William está a revelar-se mácio no controlo do meio-campo e muito instável no capítulo do passe. Confesso que já vi William falhar mais passes curtos durante os 4 jogos oficiais realizados do que na temporada passada completa.

No ataque a equipa demonstra imensos défices. É uma equipa que gosta de circular jogo mas circula-o em excesso: parece que existe uma enorme necessidade de uma jogada de ataque ser construída por todos os elementos da equipa. Não tendo a equipa um mecanismo de circulação e construção de jogo pelo miolo (Adrien pensa mas Martins não é capaz de vir buscar jogo e criar desequilíbrios nos últimos 30 metros pelo centro), a equipa opta por criar todo o seu jogo pelos flancos através de combinações entre os laterais e os extremos, facto que permite facilmente à equipa adversária durante a semana levar o trabalhinho de casa bem preparado (cortar às pontas, impor superioridade numérica nos flancos e entalar Slimani entre os dois centrais de forma a anular de forma eficaz todo o jogo que seja criado nas alas para o principal finalizador da equipa). A juntar ao facto da equipa não conseguir criar nos 3 corredores, tem facilitado a vida aos adversários do Sporting algum excesso de individualismo de alguns jogadores leoninos quando a equipa não consegue resolver os seus problemas como colectivo (casos de Carrillo, Nani, Capel) e a quantidade de passes falhados que a equipa efectua ao longo dos 90 minutos.

Não basta portanto a Marco Silva fazer análises concretas, objectivas e verosímeis daquilo que passa durante os 90 minutos, ou justificar os erros da sua equipa com a ansiedade dos jovens jogadores que comanda. Marco Silva terá que trabalhar afincadamente durante a semana, fazendo jus à sua característica de estudioso do futebol, de forma a arranjar soluções que permitam à equipa explorar os pontos fracos dos adversários e não cometer os erros que tem vindo a cometer até aqui.

Ao presidente do Sporting deverá este início de temporada ser acolhido como uma lição para o futuro: grandes objectivos necessitam de grandes empreitadas. A forma de pensar não deverá ser guiada de acordo com instintos automáticos ou factos consumados a-priori, ou seja, “se fomos capazes de conseguir um 2º lugar em ano com uma equipa limitada, seremos candidatos ao título se comprarmos 5 ou 6 bons jogadores capazes de ser alternativa de banco” – para se lutar pelo título em Portugal é forçosamente necessário ter uma equipa com 22 alternativas ao mesmo nível. Para se jogar uma competição como a Champions, competição na qual todos os pontos fracos são capitalizados por parte dos adversários, não pode haver lugar para complacências e para experimentalismos.
Estou certo que toda a estrutura do Sporting está descontente com o trabalho até agora realizado. A equipa tem potencial para mais daquilo que fez nos últimos 4 anos, indiferentemente dos seus objectivos. A Champions está aí à porta. Este momento é decisivo: o presidente deverá ter que adoptar uma postura férrea perante os seus jogadores. Há que trabalhar com afinco senão, esta temporada corre o risco de ser exactamente igual ao desastre que foi a temporada 2012\2013. O tempo para trabalhar o modelo de jogo da equipa e até mesmo a sua identidade começa a escassear: a partir de quarta-feira, o Sporting entrará num ciclo no qual terá 3 dias para pensar os seus próximos compromissos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s