Crónica #17 – Juventus 3-2 AS Roma

Empatadas na liderança da prova com 15 pontos após 5 jornadas, totalmente vitoriosas no que ao plano doméstico concerne, Juventus e Roma enfrentaram-se num primeiro tira-teimas em Turim. Com um record de golos de 10-0 para a Juve em 5 jogos e 9-1 para a Roma, esperava-se o melhor de dois mundos, futebolísticamente falando: um interessante jogo de ataque entre duas equipas com uma mentalidade diferente (a Juve de Allegri é uma equipa que privilegia acima de tudo equilíbrio enquanto a Roma de Garcia é claramente uma equipa de ataque) no qual as defesas também pudessem firmar os seus créditos. O jogo cumpriu os requisitos do primeiro objectivo mas não cumpriu os objectivos do 2º, pois apesar de Mbiwa por exemplo, ter sido um dos melhores da Roma em campo, 3 dos 5 golos da partida foram alcançados da marca de grande penalidade a castigar faltas na área. No final da partida fiquei com a sensação que são as únicas equipas capazes de lutar pelo título da Serie A

Os dois treinadores puderam contar com quase todo o plantel disponível para o embate. Do lado da Juve, Max Allegri não contou com nenhuma ausência de peso dentro do seu plantel. Já Rudy Garcia apenas não pode contar com os lesionados Daniele De Rossi e Kevin Strootman. Allegri fez alinhar o seu onze-tipo, esquematizado no habitual 3x5x2. Rudy Garcia também não modificou o onze que tem apresentado nos últimos jogos da equipa Romana, voltando a encher o meio-campo com Seydou Keita e Raja Naingollan e um tridente de ataque formado por Iturbe, Gervinho e Francesco Totti. Na baliza Romana voltou a jogar o jovem polaco Lukasz Skorupski.

O árbitro da partida foi Gianluca Rocchi. Rocchi teve o condão de ajuizar quase certeiramente todos os lances passíveis de actuação da arbitragem num jogo em que os jogadores complicaram imenso a vida ao experiente árbitro italiano fiorentino de 41 anos, quer no campo das acções técnicas quer no campo das acções disciplinares, com uma postura muito faltosa e sobretudo muito quezilenta. Sentindo a tensão do momento, na minha opinião, o árbitro tentou preservar o jogo com 11 jogadores de cada lado até ao fim. Agindo com assertividade nos 3 penaltis que assinalou (o da Roma foi assinalado por indicação do auxiliar) e nas expulsões de Alvaro Morata e Kostas Manolas, Rocchi descomplicou um jogo difícil e teve critério. Dúvidas apenas restaram no lance do primeiro penalty assinalado à Juve, no sentido em que não ficou por esclarecer o posicionamento de Maicon quando cortou o livre de Pirlo com o braço. Depois de ver as imagens televisivas por várias vezes, parece-me que o jogador corta em cima da linha de grande área, havendo lugar à marcação do castigo máximo.

A Juventus iniciou o jogo por cima, como de resto lhe competia pelo facto de estar a jogar em casa. Correndo o risco de deixar muito espaço no miolo para o meio-campo da equipa romana circular a bola em progressão (Naingollan por exemplo foi ávido a fazê-lo) a equipa da casa tratou de montar o cerco à baliza adversária nos primeiros minutos, tanto ofensiva como defensivamente, através de um jogo mais vocacionado para o poder de fogo de Fernando Llorente e de uma pressão asfixiante a todo o terreno que não deixava a Roma sair a jogar a partir de trás.
Só a partir dos 16 minutos é que o meio-campo romano começou finalmente a desempenhar a sua função distributiva, tendo para efeito os seus jogadores que sair de um jogo posicional estático para um jogo posicional muito móvel, no qual até Gervinho e Totti por exemplo, vieram bastas vezes a meio-campo procurar jogo e oferecer linhas de passe aos companheiros com bola. Nesta primeira parte, a Roma tomou um ascendente maior na partida quando Pjanic começou a pegar no jogo e a variar a bola entre flancos à procura de alguém capaz de criar desequilíbrios pelas alas. Quase sempre esse desequilibrador foi Gervinho, se bem que, no primeiro tempo Iturbe aproveitou bem as subidas de Asamoah e a falta de comunicação entre o ganês e Chiellini (tanto Chiellini como Cáceres tem a obrigação de fechar as alas quando os alas estão mais balanceados no ataque) e teve algum espaço para atacar o flanco ou flectir para dentro na folga de espaço existente nas costas do ganês que o central não cobriu com a sua atenção ao eixo central onde Totti e Gervinho tentavam atrair as marcações sempre que a bola era jogada pelo flanco direito da Roma.

A primeira grande oportunidade para a Juve viria apenas ao minuto 21 num lance em que Bonucci, sentindo-se confortável a transitar o meio-campo com bola aplicou um dos seus portentosos passes longos para uma incursão de Marchisio à área. Recebendo a bola do seu central com conta, peso e medida, o médio distribuidor da Juve conseguiu soltar-se da oposição de 2 jogadores romanos e atirou cruzado para fora da baliza da Roma.

Defensivamente, a Roma foi baixando o bloco para defender o intenso jogo entre linhas que a Juve gosta de incutir durante as partidas. Totti teve a missão neste primeiro tempo de ser o homem mais avançado da equipa romana, quase sempre posicionado junto de Andrea Pirlo. Na primeira parte foi comum ver o histórico capitão a perseguir Pirlo e a tentar anular o seu efeito construtivo. A pressão de Totti a Pirlo fez com que Seydou Keita e Naingollan conseguissem interceptar alguns passes a meio-campo. No entanto, foi precisamente num lance em que Totti derrubou Pirlo no flanco esquerdo a 30 metros da baliza que surgiu o lance que iria dar o primeiro golo aos bianconeri: Pirlo cobrou a falta e atirou à barreira da Roma. Maicon saiu da barreira para abordar o lance e, apesar de ter a cara para trás, cortou a bola com o braço. Rocchi assinalou de imediato penalty e Tevez não falhou na cara de Skorupski com um penalty clássico: guarda-redes para a direita, bola para a esquerda. Num primeiro momento, como o jogador brasileiro tem a cara para trás e tenta proteger a mesma com o uso do braço, pensa-se que o lance não foi intencional. Contudo, nota-se num 2º momento que Maicon já tinha saído da barreira com o intuito de proteger a sua baliza com um acto fora das regras. Os jogadores da Roma protestaram muito com o árbitro da partida, mas, ao fim ao cabo, deveriam mostrar mais no ataque do que aquilo que estavam a mostrar até então. Do banco da Roma, Rudy Garcia fez para o árbitro o gesto de um “violinista” como que a dizer que os beneficiados em itália são sempre os mesmos. O gesto valeu-lhe imediata expulsão do banco de suplentes.

O jogo recomeçou e a Roma balanceou-se mais no ataque muito por graças da velocidade de pensamento de Raja Naingollan. O belga fez uma enorme exibição: recuperou bolas a meio-campo, deu velocidade aos processos de jogo da equipa através da rapidez com que pensou e executou cada lance onde teve a bola nos pés e pelas suas rápidas incursões pelo corredor central. À passagem da meia-hora seria numa falta dura de Marchisio sobre o belga de origem indonésia que a Roma chegaria à igualdade: livre batido para a área e, após o corte de um defesa da Juve, o árbitro assistente comunicou com o árbitro principal e viu aquilo que Rocchi não viu – um puxão ostensivo (e infantil, diga-se) de Stephen Lichsteiner a Francesco Totti longe do sítio para o qual Pjanic bateu o livre. A cena digna de um wrestler valeu o empate aos Romanos e como se o erro de Lichsteiner não fosse completamente despropositado só por si, valeu um cartão amarelo a Leonardo Bonucci por protestos. Francesco Totti também levou um amarelo depois de ter comemorado o golo junto dos adeptos da Roma.

Depois da abertura de hostilidades, o jogo ficou quentinho e cheio de picardias. Melhor, menos bem jogado e bem mais durinho. Tevez e Holebas protagonizaram uma cena (o grego derrubou o argentino numa disputa no ar e o argentino respondeu com um empurrão no solo) que levaria os 22 jogadores a envolver-se numa troca de empurrões e palavras mais azeda.

O defesa actuou…

Aos 35″ e 40″ minutos, o central Mapou Mbiwa (que exibição fantástica deste internacional francês com origem na República Central Africana) negou o 2º golo da Juve na sequência de dois livres batidos por Andrea Pirlo: no primeiro, negou o golo quase certo a Pogba com uma antecipação de cabeça. No segundo, tirou o golo a Tevez no ressalto de um mau alivio da defensiva Romana para os pés de El Apache. O central revelou imensa coragem ao oferecer o corpo ao morteiro que o argentino tinha disferido. Impecável no jogo aéreo e no desarme, o central que a Roma contratou ao Newcastle foi um dos homens em destaque na equipa Romana. Só não me arrisco a dizer que foi o homem do jogo da turma de Rudy Garcia porque Gervinho tinha planos para fazer mais e melhor até ao final da partida.

Faria 3 minutos depois: bola na esquerda, recepção de Gervinho, flecção em progressão do costa-marfinense para o miolo e um fabuloso passe para a diagonal de Iturbe perante a passividade da defensiva bianconera. O argentino não desperdiçou aquela bola e consumou a reviravolta no marcador aos 43″.
Com o gás todo, o costa-marfinense voltou a enfrangalhar a muralha defensiva da Juve com um rapidíssimo lance em contragolpe pela esquerda no qual deixou Cáceres para trás (o uruguaio não aguentou o esforço de perseguição ao costa-marfinense e reabriu a lesão na coxa que o tem impedido de contribuir mais para a equipa no último mês; já é a 2ª vez no espaço de poucas semanas que sai a queixar-se da coxa) correu meio-campo com a bola sem qualquer pressão vinda de um jogador da Juve, flectiu para o meio e atirou por cima da baliza de Buffon. Se o compatriota de Didier Drogba, a cumprir a 2ª época em Roma depois de uma experiência frustrante em Londres tinha dado outro destino ao seu remate, a Juve dificilmente voltaria a re-entrar na discussão da partida…

Como reentrou naquela falta inútil

de Pjanic sobre Pogba num lance em que Seydou Keita ainda estava à frente do francês e poderia facilmente ter anulado a investida do jogador da Juve. Tevez não perdoou e voltou a colocar a bola no lado esquerdo da baliza da Roma, desta vez com um remate mais puxado ao ângulo, restabelecendo a igualdade a 2.

Na 2ª parte, o jogo recomeçou com a substuição que imperava no lado da Juve. Ogbonna voltou a substituir Cáceres a meio de um partida já que o uruguaio saiu ainda antes do fim da primeira parte directamente para os balneários.

Depois de uma primeira parte intensa, o jogo baixou de ritmo. A diminuição do ritmo de jogo permitiu, por exemplo, que Paul Pogba entrasse na partida. Até aos 55″ o francês mal se viu na partida e quando pode ter a bola nos pés encostado ao lado esquerdo do ataque da Juve, congelou todas as investidas ofensivas da Vecchia Signora. Aos 50″ rematou por cima da baliza da Roma e 5 minutos depois, tomando o gosto, recebendo à entrada da área um passe de Marchisio por entre as linhas defensivas da Roma, passou pelo meio de 2 defensores romanos baqueando ao terceiro com um remate desconchabado para a linha lateral.

A Roma voltou a pegar na partida, temporariamente, a partir deste lance. Com um futebol muito simples, bem flanqueado e com diversas soluções promovidas pelas investidas individuais de Gervinho na esquerda, pela variação de jogo constante feita por Pjanic e pela rapidez de processos e soluções promovida por Naingollan, os Romanos voltaram a incomodar a baliza de Gigi Buffon quando Gervinho na esquerda arrancou em velocidade para ganhar a linha de fundo a Ogbonna e tocou para trás para Pjanic com o bósnio totalmente solto de marcação a atirar para defesa de Buffon. A Roma poderia começar a lamentar-se do seu triste fado: só perdeu em Turim porque foi uma equipa incapaz de fazer capitular a Juventus em dois momentos chave: o lance de Gervinho após o 2-1 e este de Pjanic que decerto iria quebrar os níveis anímicos da equipa da casa.

Prevendo a possibilidade de vencer em Turim, Rudy Garcia arriscou e fez entrar Florenzi para o lugar de Iturbe. O internacional italiano sub-21 poderia dar a dinâmica aquele flanco que Iturbe já não estava a dar, aproveitando a maior tendência de Asamoah para subir no terreno e o facto de Giorgio Chiellini já ter um amarelo. Allegri respondeu com a entrada de Morata.

O espanhol haveria de ficar ligado a uma das incidências negativas da partida com a expulsão após entrada duríssima sobre Manolas, a que o grego, à boa maneira dos gregos não se deixou ficar e respondeu com um empurrão seguido de uma cabeçada ao antigo jogador do Real Madrid. Pelo meio, o internacional espanhol haveria de cabecear à trave após cruzamento de Stephen Lichsteiner na direita. Foi o único registo ofensivo de destaque do suiço na partida. Nota-se que ainda não tem a melhor das formas físicas ao não promover a correria intensa e a capacidade de cruzamento que promove no lado direito do ataque da Juve e que tantas assistências para golo criou naquele flanco com o seu verticalíssimo jogo.

Até que, baralhando e dando novamente, aos 85″ veio o momento do jogo: numa combinação entre Vidal (entrado no jogo minutos antes para o lugar de Andrea Pirlo) e Tevez, o argentino rodopiou sobre Manolas já em desequilíbrio e rematou para corte do grego para canto. Do canto, a defesa romana haveria de aliviar a bola para o centro do terreno onde apareceu Leonardo Bonucci a finalizar de forma espectacular com um volley que daria os 3 pontos e a liderança isolada do campeonato à 6ª jornada para a equipa de Allegri. Não foi de espantar portanto, os efusivos festejos que o central da Juve efectuou assim que o árbitro da partida deu esta por terminada.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s