Crónica #16 – CSKA 0-1 Bayern de Munique

No Khimkhi Arena, nos arredores de Moscovo, palco escolhido pelos dirigentes do CSKA para a realizar o jogo desta 2ª jornada da Champions em campo neutro à porta fechada em virtude dos desacatos cometidos pelos seus adeptos em Roma na 1ª jornada da competição, o Bayern de Munique de Pep Guardiola venceu com relativa facilidade a turma russa por 1-0.

Do lado russo, Leonid Slutsky viu-se confrontado com muitas adversidades dentro do seu plantel. A equipa russa pretendia limpar a péssima imagem deixada no Olímpico da capital romana, local onde foi goleada por 5-1 pela turma orientada por Rudy Garcia. Já a equipa de Pep Guardiola encarava este encontro de forma tranquila depois de ter vencido o Manchester City por 1-0 no Allianz Arena com um golo de Jerome Boateng nos últimos minutos a esconder uma exibição sofrível dos bávaros.

Com muitos ausentes devido a lesões, alguns importantes na manobra ofensiva da equipa como é Alan Dzagoev, o treinador do campeão russo só convocou 16 atletas para a partida. Apresentando um onze composto por Akinfeev na baliza; um eixo defensivo composto pelo brasileiro Mario Fernandes na direita, Vasily Berezutski, Sergei Ignashevic e Schennikov na esquerda; Alexei Berezutski como trinco, Milanov na esquerda, o israelita Natcho atrás dos avançados e Zoran Tosic na direita e uma frente de ataque composta pelo nigeriano Ahmed Musa e Roman Eremenko, o treinador russo visava dar alguma luta ao Bayern de Munique de Guardiola, a contas ainda com algumas ausências de peso na equipa como são Jerome Boateng, Franck Ribery ou Bastian Schweinsteiger.
Alinhando no sistema táctico que tem trabalhado desde o início da época, o catalão escalonou para esta partida: Neuer, Benatia, Dante, Alaba; Lahm, Alonso; Bernat, Muller, Robben, Gotze; Muller e Lewadowski. Motivo de destaque nesta equipa do Bayern é sem dúvida a versatilidade que Guardiola tem pretendido tirar de vários jogadores ao longo das partidas em que, devido às constantes trocas posicionais, são chamados a desempenhar várias posições no terreno e consequentemente às várias funções designadas pelo treinador nessas mesmas posições. Os jogadores do Bayern tem correspondido minimamente à ideia que está a ser sobejamente idealizada e trabalhada pelo seu treinador. Sem um jogador no lado direito, cabia a Benatia descair para a direita para defender Milanov, devidamente compensado e apoiado por Philipp Lahm. Sempre que Benatia ia a esse flanco fechar, Alaba fechava no seu centro; contudo, o austíaco alinhou quase sempre na posição de médio interior esquerdo, auxiliando Xabi Alonso e Phillip Lahm na construção de jogo e, descaíndo para o lado esquerdo de forma a criar desequilíbrios junto do ala esquerdo Juan Bernat. Na frente nada de novo: Muller com as suas habituais movimentações fora-da-área, Gotze a cair nas duas alas e Robben preferencialmente no flanco direito com oportunidade para executar as suas maravilhosas flecções para zonas interiores em drible.

O Bayern controlou a partida através da sua posse de bola. Praticando o seu habitual jogo de paciência perante uma equipa russa que se foi fechando lá atrás da maneira que melhor soube, optando sair rapidamente no contragolpe, preferencialmente com passes em profundidade para a velocidade de Ahmed Musa.

Nos primeiros minutos, a equipa germânica conseguiu construir algumas jogadas interessantes. Se nas primeiras oportunidades construídas, a equipa falhou na finalização e no último passe (aos 9″ quando Gotze dentro da área colheu um excelente cruzamento de Bernat na esquerda e atirou por cima da área; ou no minuto seguinte quando Robben flectiu do flanco direito para zona central em drible, rematando para defesa apertada de Akinfeev) sem que o CSKA conseguisse sair proficuamente do seu meio-campo (excepto numa ocasião em que Milanov rematou para defesa fácil de Neuer depois de uma jogada construída na direita por Tosic), aos 20″, Gotze desbloqueou a situação num lance em que ao tentar furar à entrada da área por uma cortina defensiva composta por jogadores da equipa russa, foi derrubado pelo lateral (adaptado) brasileiro Mário Fernandes. Fica somente a dúvida se a falta começa fora-da-área ou se existe continuidade da mesma para dentro da área. Na minha óptica, creio que começa fora-da-área mas continua dentro da caixa, havendo portanto lugar à marcação de grande penalidade.

Com um remate eficaz para o meio da baliza, Thomas Muller inaugurou o marcador.

Entre os 24″ e os 39″ minutos viriamos a assistir ao melhor momento da equipa russa na partida. Apesar de estar a ser dominada através das longuíssimas trocas de bola dos jogadores do meio-campo do Bayern e de jogadores como Natcho, Alexei Berezutski ou Roman Eremenko não terem conseguido sair em transições rápidas da forma mais desejável sempre que a equipa recuperava bola graças a uma pressão efectivíssima de Lahm, Alaba e Alonso no meio-campo, a equipa russa conseguiu durante estes 12 minutos ir à área do Bayern criar perigo, conquistar alguns cantos e ousar ameaçar a baliza de Neuer:
– quando aos 24″ o internacional finlandês de origem Russa Roman Eremenko tentou um remate em rotação já dentro da área que saiu por cima da baliza de Neuer.- quando aos 36″ Ahmed Musa, lançado em profundidade com uma bola longa ganha um despique na esquerda contra Mehdi Benatia, irrompe pela área dos bávaros e não consegue bater Neuer.
– aos 39″ Roman Eremenko manda uma bola à quina da trave da equipa alemã.

É certo que pelo meio, aos 26″ foi anulado um golo a Robert Lewandowski numa jogada de combinação muito vistosa ao primeiro toque entre Muller, Goetze e o avançado polaco. No momento da abertura de Muller para isolar o polaco este estava em fora-de-jogo.

A equipa de Guardiola podia inclusive ter ido para o intervalo a vencer por 2-0. Poucos minutos passados do maior ascendente dos russos na partida, mesmo a terminar a primeira parte, num lance em que Akinfeev foi rei: Robben recebeu a bola à entrada da área, entrou na caixa sob oposição do seu marcador directo (Schennikov) mas na hora de rematar foi perdulário e permitiu o corte ao lateral esquerdo internacional russo. Na sequência do corte do russo, a bola sobrou para Lewandowski que não conseguiu melhor que a Robben. Sobrando para uma terceira tentativa, a bola chega até Gotze. O alemão remata mas a bola é desviada por Sergei Ignashevic para as mãos de Akinfeev. O capitão da equipa russa, de 35 anos, foi um dos melhores em campo. Perante a sempre difícil postura de Lewandowski na partida, dentro da área, Sergei Ignashevic foi resolvendo com eficácia grande parte dos lances onde foi obrigado a intervir.

Na 2ª parte, o ritmo e a intensidade de jogo diminuiram. O Bayer continuou, na globalidade dos 45 minutos, a gerir a vantagem obtida no primeiro tempo através de uma pausada circulação de bola no meio-campo russo. Os russos arriscaram muito menos daquilo que tinham arriscado no primeiro tempo, limitando-se mais uma vez a bombear bolas longas à procura de Ahmed Musa e de Seydou Doumbia, entrado aos 65″ para o lugar do “ausente” Bebras Natcho. A equipa russa voltou a acusar dificultantes em suplantar a primeira linha de pressão dos bávaros e não conseguiu ter a rapidez necessária para ultrapassar o meio-campo com um futebol simples, de preferência com poucos toques no esférico.

Aos 52″ o lateral Schennikov esteve novamente muito bem a impedir um possível 2º golo dos alemães quando, chamado a fechar no centro do terreno impediu que Lewandowski finalizasse em potência na cara de Akinfeev após assistência perfeita de Mario Gotze. O internacional alemão, histórico da Mannschaft ad-eternum pelo golo decisivo que deu a vitória no Mundial deste ano, fez uma exibição muito interessante, recebendo tanto mais colado ao flanco esquerdo como ao flanco direito, flanco onde até chegou a entrar na área de influência de Arjen Robben (tabelou algumas vezes com o holandês).

O CSKA respondeu na sua única oportunidade na 2ª parte: lançado novamente em profundidade, Ahmed Musa tentou o remate frente aos dois centrais adversários vendo o seu remate bloqueado. O ressalto sobrou para Alaba com o austríaco a cometer um erro infantil dentro da área ao cabecear a bola para o lado onde apareceu novamente Musa a rematar. O austríaco emendou um erro com um desarme providencial ao remate do nigeriano.

Até ao final do jogo, já com Xherdan Shaqiri, Rafinha (Guardiola jogou pelo seguro colocando um lateral no flanco fraco do Real, flanco que foi explorado por Musa durante toda a partida) e posteriormente Cláudio Pizarro em campo, o Bayern retirou qualquer possibilidade do adversário tentar o empate através de uma posse de bola cuidada no meio-campo adversário, pertencendo até à equipa germânica o último lance de perigo na partida por intermédio do antigo extremo do Basileia. Shaqiri conseguiu-se isolar na cara de Akinfeev mas não conseguiu bater o mítico guarda-redes do CSKA. Akinfeev estorvou muito bem a acção do internacional suiço com a sua saída, fazendo com que este atirasse ligeiramente ao lado do seu poste direito. Akinfeev foi um dos melhores na partida. O melhor na partida foi na minha opinião Xabi Alonso. A sua qualidade de passe e a forma como pauta os ritmos de jogo desta equipa do Bayern assentam que nem uma luva nesta equipa. Do lado da equipa russa, Ahmed Musa empenhou-se imenso na partida mas foi muito perdulário para este nível nas 3 oportunidades que teve nos pés para empatar.  Manuel Neuer tem mérito numa delas com uma grande defesa aos pés do nigeriano.