O rei vai nu!

Ocorridas quase 24 horas da vergonha que aconteceu em Gelsenkirchen, não consigo de maneira nenhuma compreender a razão que tem motivado o silêncio da UEFA. Para uma instituição que apregoa aos sete ventos os valores do respeito e do fairplay no futebol, a omissão e a não-responsabilização dos actos cometidos que toda a europa repudiou e criticou, só me pode fazer concluir que no fim de contas, as bandeiras apregoadas por aquele organismo são puros clichés que só servem para serem inscritos nos galhardetes que são distribuídos nos jogos organizados pela instituição e prestar uma falsa mensagem a todos os agentes e adeptos.

O principal responsável da vergonha que se passou não é o árbitro da partida mas sim o próprio líder da UEFA, ao permitir que uma equipa participante na competição seja patrocinada pela mesma entidade que é uma das principais patrocinadoras da prova. Todos, inclusive, o árbitro da partida podem, dentro de algumas horas, dias, desculpabilizar-se pelos 3 erros cometidos em prejuízo do Sporting. Indesculpável será, para sempre, a promiscuidade existente entre o Schalke 04 e a organização do evento por uma via comum. O que aconteceu ao Sporting em Gelsenkirchen leva-me a uma pergunta básica, pergunta essa que deverá ser transversal à maioria dos adeptos de futebol em Portugal: até que ponto é que os patrocinadores da Champions League não são eles próprios o lobby interessado em delinear todas as fases da prova em prol do seu interesse próprio? Outras perguntas ocorreram-me de imediato na cabeça: e se o prejudicado fosse o Real Madrid ou o Bayern de Munique? Não teriam os dois clubes força necessária para conseguirem a repetição do jogo junto do organismo? As Federações Alemã e Espanhola não teriam tomado imediatamente uma posição forte junto do organismo ao invés de se manterem no silêncio como a Portuguesa? Valerá a pena para os clubes pequenos participar numa competição que está a ser completamente viciada em prol dos mais poderosos?

Michel Platini parece mais interessado em estragar o futebol com as suas visões loucas do que aplicar as modificações que o futebol moderno exige: para bem do futebol, a decisão humana dos árbitros de baliza, agentes susceptíveis pela condição humana de errar tantas ou mais vezes que o trio de arbitragem, deve ser modificada em prol da tecnologia e da fiabilidade do videoárbitro (nos mesmos moldes da sua bem sucedida aplicação em outras modalidades como o rugby). A promiscuidade de interesses não atinge apenas a relação entre jogadores, empresários e fundos. Concerne também a existência de patrocinadores comuns entre competições e clubes que disputam essas mesmas competições.

O Sporting Clube de Portugal pode queixar-se da subtracção de 4 pontos: um penalty que ficou por marcar em Alvalade frente ao Chelsea que poderia dar o empate ao clube português e os 3 pontos de Gelsenkirchen. Tomo portanto como ponto de partida para a derrota a própria expulsão de Maurício:
– O primeiro amarelo mostrado ao central brasileiro é justíssimo. O segundo amarelo é forçadíssimo. Se aquela carga por trás, longe da baliza, numa disputa pelo ar é passível de cartão amarelo, pois então, poucos centrais são aqueles que deverão por essa europa fora terminar os 90 minutos. Bruno Alves é o exemplo mais claro. Per Mertesacker (Arsenal), Leonardo Bonucci (Juventus), David Luiz (PSG) Sergio Busquets (Barcelona), Pepe (Real Madrid) e Omer Toprak (Leverkusen) são alguns dos centrais que abordam o mesmo tipo de lance com a mesma abordagem de Maurício. E quase sempre, nunca são sancionados com cartão nessas abordagens faltosas. Tudo isto me faz crer, tendo em conta a sólida exibição que Maurício estava a realizar, que Sergei Karasaev sabia perfeitamente que ia condicionar a excelente partida que o Sporting estava a realizar para equilibrar a contenda com a expulsão do central.
– No lance do segundo golo do Schalke, dou de barato pela posição de Huntelaar que é muito difícil ao assistente tirar o fora-de-jogo.- O lance do penalty é uma discussão disparatada e tendenciosa. O árbitro de baliza, responsável pela decisão, tinha o campo totalmente aberto para ver Jonathan Silva (de braços abertos e bem afastados da cabeça) cortar o esférico de forma legal.

Errar é humano. Cometer um erro é humano. Outra história é cometer 3 erros que beneficiam uma equipa. Outra história é, como pudemos observar, a falta de critério de Sergei Karasev. Numa falta vulgar como a de Maurício, praticada por tantos sem consequências disciplinares, o russo não teve pejo em expulsar. Em dois outros lances perigosos passíveis de amarelo, em um não marcou uma falta à entrada da área de Nani e noutro (falta dura de Sarr sobre Obasi na direita) marcou falta mas não sancionou o lateral do Sporting com o devido amarelo. Nas faltas a meio-campo do Schalke, algumas delas a travar iniciativas em contra-ataque, nenhum cartão saiu do bolso do árbitro russo para fazer cumprir as leis do jogo e as indicações da UEFA para essas circunstâncias do jogo.

A equipa leonina está de parabéns pelo jogo que realizou. Com 11 jogadores em campo, foi uma equipa muito organizada defensivamente, bem posicionada quando quis pressionar alto e condicionar a saída de jogo por parte dos centrais e do trinco Neustadter, capaz de recuperar muitas bolas a meio-campo e de suster a pressão exercida pela equipa alemã após o golo do Nani. Ofensivamente, circulou muito bem o esférico e teve a sorte de atingir o primeiro golo da partida num canto.

Depois da expulsão de Maurício, o Sporting voltou a provar que com menos 1 unidade consegue jogar para ganhar em qualquer campo do mundo. A equipa voltou a comportar-se de acordo com a tónica que tem sido desenvolvido por Marco Silva: mostrou resiliência e fé quando em desvantagem, organização, ambição (quando tentou pressionar alto) e cautela quando não tirava partido da pressão alta, descendo imediatamente as linhas para se reorganizar no seu meio-campo e tentar travar da maneira possível os ataques da equipa germânica. Patrício comete um erro imperdoável no primeiro golo, William não estava bem posicionado na jogada que deu o segundo e os centrais do Sporting estavam a dormir no lance do terceiro ao deixar Howedes cabecear à vontade. No entanto, a equipa de Marco Silva foi à luta. Adrien e William fizeram um jogo excepcional. Para além de terem aguentado o meio-campo com firmeza e insustentável cansaço nos minutos finais da partida, ainda tiveram forças para ir lá à frente fazer jogar, pressionar e apontar o golo que daria um pontinho precioso à equipa (no caso de Adrien). Carillo e Nani fecharam as alas como puderam e o peruano foi uma das unidades mais in do Sporting. Quando a equipa parecia não ter forças para reagir, o peruano sempre que teve bola na esquerda ou na direita manifestou garra para correr com a bola na sua posse e driblar os defensivamente fracos laterais do Schalke. Nani poderia ter feito melhor em várias situações: quando o jogo estava 2-3 poderia ter aproveitado um lance no qual entra na área mas não conseguiu ser expedito a rematar.

Aplausos também para as exibições de Cedric (falhou apenas no lance do segundo golo mas acertou em cheio no cruzamento para o 2º poste no golo de Adrien) e Jonathan Silva. O jovem argentino tem um futuro promissor pela frente. Aguentou Obasi como pode (não é fácil defender este nigeriano pela simplicidade como usa e abusa da sua rapidez para ganhar a linha de fundo) e conseguiu ter forças para subir no terreno, executar venenosos cruzamentos para a baliza de Fahrmann e ainda pressionar no último terço nos momentos em que a defensiva do Schalke aliviava bolas para o seu flanco, de modo a recuperar rapidamente a bola e executar uma nova vaga para a área. Paulo Oliveira e Sarr também fizeram interessantes exibições: o primeiro não teve medo de Huntelaar e o francês juntou à capacidade de sair bem a jogar quando a equipa precisou que ele conduzisse o esférico, 2 ou 3 cortes providenciais que evitaram males maiores.

Freddy Montero não tem de forma alguma o poder de choque de Slimani. O colombiano correu muito, pressionou muito e sempre que a equipa tentou colocar-lhe a bola em desespero soube estar no sítio certo para a receber e endossar de imediato para um companheiro sob pressão. Não tenho a menor dúvida em afirmar que se o Sporting tivesse o argelino em campo na altura do 3-3, uma ou duas bolas bem colocadas para a área do Schalke poderiam ter dado a vitória.

Quanto à equipa do Schalke, confesso que esperava mais. A solidez defensiva deixa a desejar. Dois laterais muito fracos do ponto de vista defensivo, facilmente permeáveis no 1×1. Benedikt Howedes é o único da defensiva que mantem a concentração durante os 90 minutos. Nas alas, é só potência de contra-ataque. Tanto Draxler pela esquerda como Obasi pela direita são jogadores que gostam de ter bola em transições rápidas: o alemão quase sempre tenta flectir para o meio em velocidade de forma a tentar desmarcar Huntelaar (quase sempre em fora-de-jogo. O holandês faz um truque de ilusão que engana os assistentes, colocando-se quase sempre à frente da linha defensiva num primeiro momento para num segundo momento, aquando do passe recuar rapidamente e dar a sensação que estava em linha) enquanto o nigeriano é um jogador vertical que, como referi, usa e abusa da velocidade para passar pelos adversários. Qualquer lateral com rapidez de movimentos e agilidade e uma marcação cerrada que não permita espaço ao nigeriano para colocar o seu drible, anula-o facilmente. Kevin-Prince Boateng é uma anedota daquilo que era nos tempos do Milan. Neustadter é um jogador interessante mas não é totalmente ineficaz no passe. Max Meyer esteve pouco tempo em jogo para mostrar aquilo que é: um 10 puro, fantasista. Os ausentes Joel Matip, Leon Goretzka, Jefferon Farfán e Tranquilo Barnetta dão outra consistência defensiva e ofensiva à equipa: o camaronês é fortíssimo no jogo aéreo, o internacional alemão cobre mais espaços que Hoger e dá outra dinâmica à circulação de bola e pensamento ofensivo da equipa, o peruano é dotado de recursos técnicos que Chinedu Obasi não possui e o internacional suiço é um jogador que acrescenta mais poder de fogo de meia-distância ao ataque da equipa orientada por Roberto Di Matteo.

As contas são fáceis de fazer. Sendo realista, o Sporting precisa de bater o Schalke em Alvalade (a equipa demonstrou argumentos que me fazem acreditar que esse será o desfecho final do jogo de Alvalade) e precisa que aconteça um de dois cenários:
– vence o Maribor e o Chelsea em Stamford Bridge e espera que o Schalke escorregue na deslocação à Eslovénia ou na deslocação a Inglaterra.
– vencendo o Schalke, vence o Maribor e espera que os alemães não consigam melhor que 1 ponto nessas duas deslocações. Imperiosa será a vitória frente aos alemães daqui a duas semanas.

frase do dia

marco silva 2

“Impressionante o verde e branco na bancada! Ao intervalo comentámos no balneário que iamos ganhar para os adeptos”

Pela enésima vez, enquanto sócio do Sporting Clube de Portugal, senti-me orgulhoso da prestação dos jogadores do meu clube num terreno que nos costuma ser tão hóstil. Mostraram ambição, mostraram garra, mostraram determinação e venceram justamente. Sabíamos (aliás, comentei-o com vários colegas deste blog) que iríamos ao Dragão sem pressão. A jogar na toca do lobo, com a possibilidade clara de existir um ambiente hostil por parte dos adeptos da casa e com os antecedentes providos por Bruno de Carvalho nas últimas semanas, tínhamos a plena noção que eliminados já estavamos: restava-nos ter uma atitude de leão e contrariar este fadado sentimento. Marco Silva e os jogadores estão de parabéns: a situação era complexa. As declarações do presidente podiam virar-se contra ele caso o Sporting tivesse sido eliminado. Decerto que os opinadores de bancada, iriam capitalizar a vitória do FC Porto para mandar as bocas do costume. O que é certo é que a equipa mandou em casa do adversário e os adeptos do Sporting reagiram a rigor, calando por completo um estádio do Dragão no mais profundo desespero.

Isto é o Sporting.

Marco Silva provou mais uma vez que é o treinador ideal para o Sporting. Não só já dotou a equipa de uma identidade como dotou-a de algo que é raro no Sporting Clube de Portugal: vencer em casa ou fora, seja contra qual adversário for. Já o tínhamos observado frente ao Benfica, Chelsea, Porto (em Alvalade), Penafiel. Espero que amanhã possamos vencer em Gelsenkirchen. Fazendo as contas do grupo, se o Chelsea vencer as duas partidas frente ao Maribor, duas vitórias frente ao Schalke ou uma vitória e um empate nos dois jogos, dão-nos praticamente a certeza que seremos qualificados para a próxima fase da Champions.

Resumo da 3ª eliminatória da Taça

No jogo grande da ronda, disputado no Estádio do Dragão, o Sporting de Marco Silva voltar a demonstrar muita ambição perante um FC Porto de Lopetegui completamente desarrumado, desorganizado e acima de tudo intranquilo.

O Sporting mereceu por completo a vitória. Foi a equipa com mais ocasiões de golo, voltou a entrar em campo (assim como já o tinha feito no jogo a contar para o campeonato) com mais ofensividade, com mais força e com mais assertividade no meio-campo, quer no posicionamento, quer na batalha das 2ªs bolas e ressaltos, quer nos processos de construção de jogo, quer na pressão. Ao pressionar alto nos momentos-chave do jogo, a equipa orientada pelo antigo técnico do Estoril, condicionou desde logo a saída de bola a partir de trás da equipa nortenha, e limitou-se a aproveitar cabalmente duas falhas de Ivan Marcano e Casemiro. Se no lance do primeiro golo, o espanhol poderia ter feito muito melhor (não tendo opositores nas costas só teria que ter deixado aquela bola para a saída dos postes de Andrés Fernandez), no lance do golo de Nani, o brasileiro ficou muito mal na fotografia ao cometer um erro que decerto nem um iniciado o faria.

Este Porto de Lopetegui é uma equipa bastante segura. Defensivamente, a equipa não consegue fazer a devida pressão tanto no meio-campo como na defensiva. Se a dupla Adrien e João Mário jogaram e organizaram o que quiseram durante os 90 minutos por inexistência de pressão a meio-campo por parte de Herrera e Casemiro, Nani, por exemplo, jogou com total liberdade, não sendo pressionado imediatamente assim que tinha bola. Logo ao primeiro minuto poderia ter marcado naquele remate que embateu no poste de Andrés Fernandez, e ao 38º minuto marcou, aproveitando a falha do antigo jogador do Real Madrid devidamente explorada por Freddy Montero, sem que qualquer opositor nas imediações saísse imediatamente ao seu encontro para condicionar ou até mesmo bloquear o remate.

Ao nível ofensivo, os efeitos da rotatividade fazem-se sentir. Este Porto para já não tem quem carregue o piano, ou seja, não tem um verdadeiro organizador de jogo a meio-campo, capaz de ir buscar a bola aos centrais, pegar no jogo a meio-campo e organizar o jogo da equipa com criterio. No sector ofensivo, é uma equipa cujos jogadores ainda não sabem bem que terrenos ocupar. Quintero começou no meio mas encostou-se várias vezes ao flanco direito. Adrian deveria ter começado na esquerda, mas foram várias as vezes em que tentou colocar-se nas costas de Jacksou ou explorar o flanco direito, Oliver acabou por descair muitas vezes para o flanco esquerdo quando Adrian tentou procurar outros terrenos. A mobilidade é defendível em qualquer equipa, mas, a de Lopetegui peca por desposicionalidade. A equipa está desrotinada, facto que é motivado pela não-utilização de vários jogadores de forma consistente por vários jogos. À falta de rotinas teremos que somar, a falta de um organizador de jogo e as constantes perdas de bola que esta equipa promove no passe. Tudo défices provocados pela inexistência de rotinas. E as rotinas de jogo só se atingem quando existem: 1. um onze base previamente definido e trabalhado pelo treinador. 2. quando todos os jogadores sabem o que é que o treinador e os seus colegas esperam de si ao nível de posicionamento, funções, mecanismos, movimentos e comportamentos. 3. quando o modelo é finalmente trabalhado em conjunto. Se Lopetegui quer inserir um modelo parecido com o modelo do tiki taka no qual todos os jogos são controlados pelo domínio na posse de bola, isso implica que a equipa começasse antes de qualquer outro departamento de jogo, a treinar uma apurada circulação de bola, coisa que, de momento, não está nem por sombras optimizada nesta equipa do FC Porto.
E isso viu-se no sábado frente ao Sporting. Sempre que a equipa do Sporting pressionou e tapou as linhas de passe, quer na saída pelos centrais, quer no meio-campo, Herrera e Casemiro falharam imensos passes e a equipa do Porto tentou invariavelmente, porque a linha defensiva montada por Marco Silva assim o permite, jogar a bola para as costas da defesa. Foi graças a esse tipo de jogo que o Porto criou as suas maiores oportunidades de golo. Na 1ª parte Adrian apareceu por uma vez na cara de Patrício (na segunda, um assistente de Jorge Sousa assinalou mal fora-de-jogo) e Jackson aproveitou as facilidades concedidas pelos centrais do Sporting (não só o puseram em linha como nenhum deles estava a marcá-lo) para fazer o golo do empate.

Na segunda-parte, o momento decisivo foi claramente o penalty falhado por Jackson (discutível e precedido de posição irregular do avançado) quando a equipa do Porto estava próxima de obter o empate. Pode-se dizer que esta poderia ter beneficiado novamente de uma grande penalidade (com expulsão) a castigar um braço na bola de Jonathan Silva. Admito que sim. Ao cortar o livre com os pés, o jogador do Sporting demonstra uma certa intencionalidade de erguer os braços e aumentar o volume do corpo para não deixar passar aquele livre de qualquer maneira. No entanto, tal resultado seria injusto para aquilo que o meio-campo do Sporting fez (William recuperou muitas bolas e foi sereno na hora de iniciar as transições ofensivas do Sporting, ora guardando muito bem a bola quando não teve linhas de passe, ora abrindo o jogo por várias vezes para os flancos; Adrien e João Mário foram duas formiguinhas tanto no plano ofensivo como no plano defensivo; os três pressionaram imenso durante toda a partida, obrigando o meio-campo do FC Porto a errar; e sempre que o Porto furava a pressão do meio-campo do Sporting, tanto Adrien como William não tiveram pejo nenhum em matar vários lances ofensivos da equipa de Lopetegui com pequenas faltas a meio-campo impassíveis de sanção disciplinar).

Depois do penalty de Jackson, entraram Tello e Brahimi. O argelino foi duramente travado por Cedric. O lateral do Sporting fez duas faltas preciosas sobre o argelino que num lance individual, rodeado de vários jogadores do Sporting na área, quase fez o empate. Do outro lado, Jonathan Silva recorreu sempre à falta quando viu a sua posição ameaçada, demonstrando que esta equipa do Sporting não é de modas no que toca à agressividade.
Marco Silva respondeu com a entrada de Slimani para o lugar de Freddy Montero. Montero foi muito trabalhador. Não recebeu muito jogo na área, preferindo sair fora desta para colaborar com a circulação de jogo da equipa e abrir espaços, sobretudo para as incursões de Nani pelo corredor central\área. Nani, João Mário e Cedric entendem-se às mil maravilhas pelo flanco direito. E dos pés do argelino, nasceria o último golo da partida. O trabalho individual (com os pés) de Slimani frente a Marcano é fantástico (mostra a evolução que Marco Silva está a fazer com o jogador) oferecendo literalmente o golo a Carrillo que aparece muito bem na área para colher o ressalto vindo do remate do argelino.

Na Covilhã, os Leões da Serra, equipa da 2ª liga, colocaram imensas dificuldades ao plano B de Jorge Jesus para esta temporada e estiveram muito perto de fazer Taça. Excelente exibição da equipa orientada por Francisco Chaló. O Sporting da Covilhã não se deu como batido após o lance do primeiro golo, colocou muita intensidade no seu jogo, saíndo muito bem em transições rápidas, aproveitando os erros do adversário (especialmente de Loris Benito no lance do primeiro golo) e foi uma equipa extremamente pressionante em redor da sua área. Quase sempre, durante o primeiro tempo, sempre que um jogador do Benfica tinha a bola era imediatamente pressionado por um ou vários jogadores da equipa serrana.

Claro está que estas equipas são incapazes de aguentar estes ritmos de jogo mais do que 50 ou 60 minutos. A quebra física dos homens da Covilhã, permitiram que Pizzi e Jonas resolvessem o jogo com duas lindas jogadas de ataque.

Fiquei com boa impressão de 3 jogadores do Sporting da Covilhã: o trinco Nana K (sempre muito agressivo embora faltoso), o médio Traquinas e o médio que entrou para o lugar de Nana K depois deste ter visto o amarelo e não se ter controlado nas faltas (Checa; ex-Sporting de Braga B). Pareceram-me claramente jogadores com nível para alinhar na 1ª Liga.

O jogo da Covilhã deu também para entender que Jorge Jesus tem um plantel muito curto e com poucas soluções. Jonas afirmar-se-á como titular nesta equipa do Benfica. É um jogador com uma capacidade de trabalho imensa. Pizzi é uma interessante alternativa quer nas alas, quer nas costas do ponta-de-lança. Ola John poderá num ou noutro momento vir a ser decisivo com uma das suas arrancadas em velocidade. Bebé precisa de mais minutos e consequentemente mais entrosamento com os companheiros. Gonçalo Guedes, apesar de verdinho, é um jogador que tem condições para entrar na rotação do Benfica.

Por outro lado, César e Benito são jogadores sem nenhuma classe para actuar na equipa encarnada.

Os tomba-gigantes…

Foram 5 as equipas de 1ª liga que caíram. Porto e Arouca perderam naturalmente frente a adversários do mesmo escalão (Sporting e Vitória de Setúbal, respecticamente). Estoril, Boavista, Académica tombaram frente a equipas de escalões secundários.

O Estoril de José Couceiro, equipa europeia, perdeu no Estádio do Mar frente ao Varzim do Campeonato Nacional de Séniores. A turma poveira, apesar de ser um natural candidato à subida de divisão nas zonas norte desta competição (está em 2º na Série B), é uma equipa que tem passado por graves problemas financeiros nas últimas temporadas, e deverá ter os seus dirigentes a rezar para que o sorteio da 4ª eliminatória traga um grande ao Estádio do Mar ou a realização de um jogo na casa de Benfica ou Sporting. Os estorilistas poderiam ter na Taça uma excelente oportunidade para esta temporada visto que, pelo campeonato, dadas as ambições e até os planteis de Braga, Marítimo e Guimarães terem muito mais qualidade que o estorilista, muito dificilmente conseguirá a equipa da linha mais do que um campeonato tranquilo a meio da tabela.

Escandalosa foi a goleada de 4-1 sofrida pela equipa de Petit na Vila das Aves frente aquela equipa da 2ª Liga. A equipa Boavisteira até entrou melhor na partida com um golo de Idris aos 6″ mas teve dois momentos na partida que a arrasaram por completo: o final da primeira parte (dois golos de Higor Platiny aos 30 e 45+2″) e um arranque de segunda desastrosa com mais dois golos do Aves.

Escandalosa também foi a eliminação da Académica no terreno do Santa Maria (Barcelos). A equipa de Galegos de Santa Maria, militante na Serie B do CNS, é uma equipa que aposta imenso na Taça. Na última época, equipa na qual fez a sua formação Hugo Vieira, em 2013\2014 eliminou ali, no Estádio das Devesas, o Nacional da Madeira por 1-0 (ficando perto de eliminar o Setúbal no Bonfim na eliminatória seguinte) e na época anterior.

De entre as 13 equipas da 2ª liga presentes na ronda (5 já tinham sido eliminadas na 2ª eliminatória; Santa Clara, Académico de Viseu, União da Madeira, Leixões, Farense e Portimonense), a Taça trouxe mais 4 eliminações, quase todas em confronto directo entre equipas deste escalão. O Atlético já tinha eliminado o Beira-Mar na Tapadinha por 3-0 na sexta-feira. A Olhanense foi eliminada no Algarve pelo Oriental de Lisboa. O Tondela forçou o Penafiel da 1ª liga às grandes penalidades no Estádio 25 de Abril e Sporting da Covilhã foi eliminado pelo Benfica.

Já não continua em prova qualquer equipa dos distritais do futebol português. As equipas dos distritais tem acesso à Taça pela vitória na Taça de cada distrito. As últimas equipas a cair foram o Amora da AF de Setúbal (derrota na Feira por 5-1), o Real Massamá da AF Lisboa (perdeu 2-1 em Barcelos frente ao Gil Vicente num jogo que foi muito complicado para a equipa de José Mota; o Real empatou o jogo aos 80 minutos e o Gil só venceu graças a um golo de Diogo Viana aos 87″) e o Alcaíns da AF de Castelo Branco, equipa que foi goleada em Braga por 4-1.

Uma análise aprofundada sobre o início de temporada do Sporting

Com 1 vitória, muito sofrida diga-se em abono da verdade, e 3 empates para o campeonato, com a estreia na Champions no horizonte (na quarta na Eslovénia) este arranque de temporada do Sporting Clube de Portugal tem sido tempestuoso, estando muito aquém daquilo que os responsáveis leoninos projectaram no início da temporada e pouco coadunante perante os objectivos a que estes e o seu treinador se propuseram aquando do início dos trabalhos. Este início tortuoso do Sporting pode ser explicado por várias razões:

1- Assumindo como objectivo o título nacional… depois de uma temporada na qual Bruno de Carvalho, recebendo um clube vindo da pior temporada da sua longa existência, conseguiu avaliar os podres existentes na sua casa e varrer para fora do clube de Alvalade alguns dos dossiers incómodos com relativos sucessos desportivos e financeiros, nada mais lhe seria pedido do que perspectivar a devolução da sua equipa futebol à luta pelo trono do futebol português.
A mais recente história do clube leonino está cheia de objectivos altos e fracassos. Basta referir que nas últimas 15 temporadas, apenas por uma vez conseguiu o clube de Alvalade conquistar o título nacional sempre que um dos seus presidentes apostou na temporada de modo a conseguir esse objectivo. Longínqua vai a temporada 2001\2002, temporada em que a profetização de tal objectivo foi cumprida. Desde então, em 6 temporadas diferentes, após a construção dos chamados anos-zero, vários presidentes objectivaram (e apostaram forte) na conquista do título e por 6 vezes, na minha opinião, vários treinadores (José Peseiro, Paulo Bento, Domingos Paciência\Sá Pinto) falharam redondamente os objectivos das várias direcções do Sporting Clube de Portugal. Tais factos, fazem-me acreditar que sempre que um presidente do Sporting objectiva a conquista do título (a última vez que o foi feito no clube de Alvalade, na temporada 12\13, a época redundou naquela que é considerada por todos os sportinguistas como a pior época de sempre) existe uma propensão maior para o erro e para a execução de uma época pobre a todos os níveis.

Para se prosseguirem objectivos altos no futebol, são precisos investimentos fortes e seguros… A estrutura do futebol leonino, devidamente hierarquizada, cujo topo da cadeia e única voz de comando é o seu presidente, firmou-se na temporada passada com um nível de implementação quase total em Alvalade. Bruno de Carvalho iniciou esta temporada desportiva como o verdadeiro patrão do clube de Alvalade. Após a saída de Leonardo Jardim para o Mónaco, Marco Silva foi contratado como uma escolha pessoal do presidente. Inácio tem a missão de encontrar jogadores que agradem ao seu treinador e se enquadrem no plantel leonino. Inácio reporta todo o seu trabalho ao presidente. Seria de esperar que o novo treinador quisesse aproveitar a estrutura construída na temporada passada por Leonardo Jardim e lhe quisesse acrescentar unidades em sectores nos quais o Sporting revelou alguma carência (a inexistência de um concorrente a Jefferson na esquerda, a inexistência de uma 2ª unidade mais coesa na direita da defesa, dois ou três centrais, havendo primariamente uma noção que a equipa precisava de alguém para constituir uma dupla com Eric Dier em caso de lesão dos titulares e secundariamente a hipótese de Marcos Rojo sair, ou do argentino e Eric Dier sairem do clube; outro trinco, um jogador capaz de ser criativo no miolo e possivelmente mais um ponta-de-lança).

A política de compras do Sporting no início desta temporada foi confusa. Estando o clube sem possibilidades financeiras conjunturais de contratar a preços elevados, uma das ferramentas muito utilizadas pelos clubes para poderem contratar jogadores sem terem que dispender valores elevados (com ou sem capitais próprios) seria a possibilidade de “jogar” com um fundo de investimentos. O presidente do Sporting escolheu o verão de 2014 para comprar uma guerra contra os fundos na questão Marcos Rojo. E os fundos, sem confiança na política de mau pagador do Sporting, afastaram-se irremediavelmente de Alvalade.

A política de compras de um clube sem grandes possibilidades financeiras mas com objectivos muito altos, deverá assentar obrigatoriamente na contratação de jogadores experientes, com provas dadas, capazes de acrescentar qualidade às soluções de plantel. A direcção do Sporting fez o contrário: contratou jovens sem experiência (Jonathan Silva, Ryan Gauld, Hedy Sacko, Naby-Sarr Slavchev) e jogadores mais ou menos maduros que não estavam a competir neste, casos de Oriol Rosell, Tanaka, Ramy Rabia. Se os primeiros ainda não tem a experiência necessária para alinharem numa equipa com os objectivos a que se propôs o seu presidente, os segundos, assim como o lateral Jonathan Silva, ainda terão que se adaptar ao futebol europeu e em particular ao futebol português. Quase todos terão que se adaptar às exigências do seu novo clube. Um clube que pretende ser campeão num campeonato muito competitivo no qual outro dos candidatos investiu muito em jogadores com um nível de experiência e até com uma qualidade firmada noutros clubes que os jogadores contratados pelo clube leonino não têm neste momento; e perante outro candidato que mal ou bem, com ou sem vendas, vai andando porque tem um treinador que arrisca, que trabalha bem com o que tem e que todas as épocas optimiza na perfeição bastantes jogadores, não poderá ter como alternativas de plantel jogadores que deverão demorar meses a adaptar-se à realidade do clube, à realidade do futebol português e à identidade que o seu treinador pretende para a equipa.

Concorrendo para a corroboração do que escrevi no parágrafo anterior, também seria expectável que, à semelhança do que 99% dos clubes mundiais fazem, os alvos a atacar no mercado sejam jogadores escolhidos pelo treinador. No futebol moderno, quem analisa e trabalha directamente com a equipa (o treinador), deverá ser o principal responsável pela requisição do clube nos mercados. O que estamos a assistir na presente temporada do Sporting parece ser a realidade de um clube no qual Marco Silva não deverá ter pedido metade dos reforços que recebeu. O Sporting depenicou aqui e ali, certamente nas soluções mais baratas que vários olheiros e empresários foram recomendando, investiu para o futuro é certo (Sacko e Gauld tem potencialidades para se tornarem dois excelentes activos do clube dentro de 1 a 2 temporadas) mas não investiu para poder dotar o plantel do antigo treinador do Estoril de soluções válidas para este atacar o título: Jonathan Silva não terá o mesmo nível de Jefferson quando for chamado a substituir o brasileiro; Ramy Rabia chegou lesionado; Sarr é uma autêntica nódoa e é neste momento um dos motivos pelo qual o Sporting somou 6 pontos em 12 possíveis, Sacko, Gauld e Slavchev foram demasiado caros para jogarem na equipa B (6,7 milhões de euros) e do bulgaro, seja eu sincero, ainda não vi nada que me motivasse a afirmar que os 2,5 milhões dispendidos ao Litex Lovech foram bem gastos. O jogador tem um potencial desconhecido, ou até falta dele.

As saídas… Depois de uma temporada desportiva na qual alguns activos do clube valorizaram, até pelas dificuldades financeiras pelas quais o clube tem passado, seria expectável que o Sporting realizasse uma ou outra venda de destaque. Durante o defeso, deverão ter chegado a Alvalade diversos pedidos de informação sobre as designadas jóias da coroa. Sendo activos que permitiam um encaixe considerável para o clube, alguns deles valorizados por interessantes participações no Mundial (é inegável não reconhecer a grande prova do futebol mundial como a prova que mais activos é capaz de valorizar no cenário competitivo) deverão ter chegado a Alvalade pedidos de informação e propostas sobre os maiores activos da SAD Leonina, ou seja, Islam Slimani, William Carvalho, Rui Patrício, Adrien, Marcos Rojo e Diego Capel.

Neste momento, é política imposta por Bruno de Carvalho no clube uma política de limitação salarial que impede claramente a SAD leonina de segurar pela via da renovação contratual os seus melhores jogadores. O presidente aplicou a necessidade do clube expelir todos aqueles vindos da anterior administração que auferissem salários acima dos 500 mil euros líquidos anuais bem como a fixação de um limite salarial para os contratados pelo clube na mesma ordem. Assim sendo, jogadores como Slimani (250 mil euros anuais de salário) Marcos Rojo (800 mil euros), Eric Dier (auferia perto de 200 mil euros anuais) seriam facilmente seduzidos a excelentes propostas vindas do exterior, não podendo o Sporting cativar o jogador a ficar com propostas de renovação de contrato superiores aquelas que foram cabalmente fixadas pelo seu líder directivo. Se o primeiro concordou em ficar pelo menos mais uma época mediante a renovação do seu contrato para valores pouco acima do tecto salarial (cerca de 600 mil euros porque Bruno de Carvalho reconheceu que a permanência do argelino durante mais uma época é importante do ponto de vista desportivo e financeiro; Slimani poderá ser o 2º maior activo do clube no final desta temporada, podendo existir propostas perto dos 15 milhões de euros no final desta temporada), os dois centrais (titular e expectável titular caso o argentino fosse vendido) facilmente foram seduzidos pelas libras de Manchester United e Tottenham, propostas que o Sporting jamais poderia cobrir.

Enquanto a política salarial do Sporting seja comezinha, o Sporting não poderá atrair grandes artistas. E a ausência de grandes artistas no seu espectáculo, em suma, de uma equipa competitiva poderá demonstrar o efeito (inverso) para o qual Bruno de Carvalho tem lutado durante esta mandato: em vez de reaproximar cada vez mais os adeptos dos portões do estádio, estes irão afastar-se ainda mais de uma equipa potencialmente pouco competitiva e acima de tudo pouco vencedora. O presidente nunca escondeu que o clube poderá passar a maior travessia do deserto da sua história caso as receitas geradas com a bilheteira e com a quotização desçam a pique.

Marco Silva já leva 3 meses de trabalho… Quando Marco Silva assumiu o comando técnico do clube leonino, quer queiramos quer não (a desculpa do facto do clube ter perdido 2 centrais) assumiu um plantel com uma estrutura criada pelo seu antecessor. O facto do plantel do Sporting ter uma identidade de jogo construída não implica que o novo treinador traga e tente aplicar no método de trabalho do clube novas ideias e novas metodologias de treino e abordagem ao jogo. Contudo, o seu trabalho foi imensamente facilitado por Leonardo Jardim. Marco Silva optou por aproveitar o bom trabalho executado pelo seu antecessor, mas, por ora, ainda não se vê qualquer evolução trilhada durante todo o seu trabalho no comando técnico do clube. Posso inclusive dizer que equipa está a jogar pior do que aquilo que jogava com Jardim.

Se com Leonardo Jardim, a equipa jogava um futebol flanqueado satisfatoriamente fluído, toda essa fluidez desapareceu com Marco Silva. A equipa está mecanicamente adaptada para jogar para os flancos, extremamente previsível e sem qualquer rasgo de criatividade pelo miolo, apesar de, Nani constantemente procurar o centro do terreno para criar desequilíbrios. Marco Silva também tem utilizado Carlos Mané para as mesmíssimas tarefas. Os resultados ainda não foram visíveis.

Se defensivamente a saída de Rojo e as entradas de Sarr e Paulo Oliveira abalaram a estabilidade defensiva que Jardim construiu no ano passado (o argentino era peça fulcral nesta mesma estabilidade), Marco Silva tem apostado neste início de época no francês em detrimento do sólido central vindo do Vitória de Guimarães. E Naby-Sarr está a provar porque é que não era opção no modesto Lyon: é um central fraquíssimo do ponto de vista técnico e posicional. Sendo um central lento e desengonçado, jogar nas suas costas torna-se um objectivo de fácil realização para todos os avançados; é instável no desarme e comete erros infantis quando é chamado a abordar um avançado no 1×1; posicionalmente nunca se encontra no sítio onde deveria estar; tem imensas dificuldades em sair a jogar).

Outra das peças-chave da estabilidade defensiva leonina (William Carvalho) anda longe de nos deslumbrar novamente com o futebol que praticou no ano passado. Fora de forma, longe dos indíces físicos que garantem uma autêntica limpeza do seu perímetro de acção de 40 metros, William está a revelar-se mácio no controlo do meio-campo e muito instável no capítulo do passe. Confesso que já vi William falhar mais passes curtos durante os 4 jogos oficiais realizados do que na temporada passada completa.

No ataque a equipa demonstra imensos défices. É uma equipa que gosta de circular jogo mas circula-o em excesso: parece que existe uma enorme necessidade de uma jogada de ataque ser construída por todos os elementos da equipa. Não tendo a equipa um mecanismo de circulação e construção de jogo pelo miolo (Adrien pensa mas Martins não é capaz de vir buscar jogo e criar desequilíbrios nos últimos 30 metros pelo centro), a equipa opta por criar todo o seu jogo pelos flancos através de combinações entre os laterais e os extremos, facto que permite facilmente à equipa adversária durante a semana levar o trabalhinho de casa bem preparado (cortar às pontas, impor superioridade numérica nos flancos e entalar Slimani entre os dois centrais de forma a anular de forma eficaz todo o jogo que seja criado nas alas para o principal finalizador da equipa). A juntar ao facto da equipa não conseguir criar nos 3 corredores, tem facilitado a vida aos adversários do Sporting algum excesso de individualismo de alguns jogadores leoninos quando a equipa não consegue resolver os seus problemas como colectivo (casos de Carrillo, Nani, Capel) e a quantidade de passes falhados que a equipa efectua ao longo dos 90 minutos.

Não basta portanto a Marco Silva fazer análises concretas, objectivas e verosímeis daquilo que passa durante os 90 minutos, ou justificar os erros da sua equipa com a ansiedade dos jovens jogadores que comanda. Marco Silva terá que trabalhar afincadamente durante a semana, fazendo jus à sua característica de estudioso do futebol, de forma a arranjar soluções que permitam à equipa explorar os pontos fracos dos adversários e não cometer os erros que tem vindo a cometer até aqui.

Ao presidente do Sporting deverá este início de temporada ser acolhido como uma lição para o futuro: grandes objectivos necessitam de grandes empreitadas. A forma de pensar não deverá ser guiada de acordo com instintos automáticos ou factos consumados a-priori, ou seja, “se fomos capazes de conseguir um 2º lugar em ano com uma equipa limitada, seremos candidatos ao título se comprarmos 5 ou 6 bons jogadores capazes de ser alternativa de banco” – para se lutar pelo título em Portugal é forçosamente necessário ter uma equipa com 22 alternativas ao mesmo nível. Para se jogar uma competição como a Champions, competição na qual todos os pontos fracos são capitalizados por parte dos adversários, não pode haver lugar para complacências e para experimentalismos.
Estou certo que toda a estrutura do Sporting está descontente com o trabalho até agora realizado. A equipa tem potencial para mais daquilo que fez nos últimos 4 anos, indiferentemente dos seus objectivos. A Champions está aí à porta. Este momento é decisivo: o presidente deverá ter que adoptar uma postura férrea perante os seus jogadores. Há que trabalhar com afinco senão, esta temporada corre o risco de ser exactamente igual ao desastre que foi a temporada 2012\2013. O tempo para trabalhar o modelo de jogo da equipa e até mesmo a sua identidade começa a escassear: a partir de quarta-feira, o Sporting entrará num ciclo no qual terá 3 dias para pensar os seus próximos compromissos.