O rei vai nu!

Ocorridas quase 24 horas da vergonha que aconteceu em Gelsenkirchen, não consigo de maneira nenhuma compreender a razão que tem motivado o silêncio da UEFA. Para uma instituição que apregoa aos sete ventos os valores do respeito e do fairplay no futebol, a omissão e a não-responsabilização dos actos cometidos que toda a europa repudiou e criticou, só me pode fazer concluir que no fim de contas, as bandeiras apregoadas por aquele organismo são puros clichés que só servem para serem inscritos nos galhardetes que são distribuídos nos jogos organizados pela instituição e prestar uma falsa mensagem a todos os agentes e adeptos.

O principal responsável da vergonha que se passou não é o árbitro da partida mas sim o próprio líder da UEFA, ao permitir que uma equipa participante na competição seja patrocinada pela mesma entidade que é uma das principais patrocinadoras da prova. Todos, inclusive, o árbitro da partida podem, dentro de algumas horas, dias, desculpabilizar-se pelos 3 erros cometidos em prejuízo do Sporting. Indesculpável será, para sempre, a promiscuidade existente entre o Schalke 04 e a organização do evento por uma via comum. O que aconteceu ao Sporting em Gelsenkirchen leva-me a uma pergunta básica, pergunta essa que deverá ser transversal à maioria dos adeptos de futebol em Portugal: até que ponto é que os patrocinadores da Champions League não são eles próprios o lobby interessado em delinear todas as fases da prova em prol do seu interesse próprio? Outras perguntas ocorreram-me de imediato na cabeça: e se o prejudicado fosse o Real Madrid ou o Bayern de Munique? Não teriam os dois clubes força necessária para conseguirem a repetição do jogo junto do organismo? As Federações Alemã e Espanhola não teriam tomado imediatamente uma posição forte junto do organismo ao invés de se manterem no silêncio como a Portuguesa? Valerá a pena para os clubes pequenos participar numa competição que está a ser completamente viciada em prol dos mais poderosos?

Michel Platini parece mais interessado em estragar o futebol com as suas visões loucas do que aplicar as modificações que o futebol moderno exige: para bem do futebol, a decisão humana dos árbitros de baliza, agentes susceptíveis pela condição humana de errar tantas ou mais vezes que o trio de arbitragem, deve ser modificada em prol da tecnologia e da fiabilidade do videoárbitro (nos mesmos moldes da sua bem sucedida aplicação em outras modalidades como o rugby). A promiscuidade de interesses não atinge apenas a relação entre jogadores, empresários e fundos. Concerne também a existência de patrocinadores comuns entre competições e clubes que disputam essas mesmas competições.

O Sporting Clube de Portugal pode queixar-se da subtracção de 4 pontos: um penalty que ficou por marcar em Alvalade frente ao Chelsea que poderia dar o empate ao clube português e os 3 pontos de Gelsenkirchen. Tomo portanto como ponto de partida para a derrota a própria expulsão de Maurício:
– O primeiro amarelo mostrado ao central brasileiro é justíssimo. O segundo amarelo é forçadíssimo. Se aquela carga por trás, longe da baliza, numa disputa pelo ar é passível de cartão amarelo, pois então, poucos centrais são aqueles que deverão por essa europa fora terminar os 90 minutos. Bruno Alves é o exemplo mais claro. Per Mertesacker (Arsenal), Leonardo Bonucci (Juventus), David Luiz (PSG) Sergio Busquets (Barcelona), Pepe (Real Madrid) e Omer Toprak (Leverkusen) são alguns dos centrais que abordam o mesmo tipo de lance com a mesma abordagem de Maurício. E quase sempre, nunca são sancionados com cartão nessas abordagens faltosas. Tudo isto me faz crer, tendo em conta a sólida exibição que Maurício estava a realizar, que Sergei Karasaev sabia perfeitamente que ia condicionar a excelente partida que o Sporting estava a realizar para equilibrar a contenda com a expulsão do central.
– No lance do segundo golo do Schalke, dou de barato pela posição de Huntelaar que é muito difícil ao assistente tirar o fora-de-jogo.- O lance do penalty é uma discussão disparatada e tendenciosa. O árbitro de baliza, responsável pela decisão, tinha o campo totalmente aberto para ver Jonathan Silva (de braços abertos e bem afastados da cabeça) cortar o esférico de forma legal.

Errar é humano. Cometer um erro é humano. Outra história é cometer 3 erros que beneficiam uma equipa. Outra história é, como pudemos observar, a falta de critério de Sergei Karasev. Numa falta vulgar como a de Maurício, praticada por tantos sem consequências disciplinares, o russo não teve pejo em expulsar. Em dois outros lances perigosos passíveis de amarelo, em um não marcou uma falta à entrada da área de Nani e noutro (falta dura de Sarr sobre Obasi na direita) marcou falta mas não sancionou o lateral do Sporting com o devido amarelo. Nas faltas a meio-campo do Schalke, algumas delas a travar iniciativas em contra-ataque, nenhum cartão saiu do bolso do árbitro russo para fazer cumprir as leis do jogo e as indicações da UEFA para essas circunstâncias do jogo.

A equipa leonina está de parabéns pelo jogo que realizou. Com 11 jogadores em campo, foi uma equipa muito organizada defensivamente, bem posicionada quando quis pressionar alto e condicionar a saída de jogo por parte dos centrais e do trinco Neustadter, capaz de recuperar muitas bolas a meio-campo e de suster a pressão exercida pela equipa alemã após o golo do Nani. Ofensivamente, circulou muito bem o esférico e teve a sorte de atingir o primeiro golo da partida num canto.

Depois da expulsão de Maurício, o Sporting voltou a provar que com menos 1 unidade consegue jogar para ganhar em qualquer campo do mundo. A equipa voltou a comportar-se de acordo com a tónica que tem sido desenvolvido por Marco Silva: mostrou resiliência e fé quando em desvantagem, organização, ambição (quando tentou pressionar alto) e cautela quando não tirava partido da pressão alta, descendo imediatamente as linhas para se reorganizar no seu meio-campo e tentar travar da maneira possível os ataques da equipa germânica. Patrício comete um erro imperdoável no primeiro golo, William não estava bem posicionado na jogada que deu o segundo e os centrais do Sporting estavam a dormir no lance do terceiro ao deixar Howedes cabecear à vontade. No entanto, a equipa de Marco Silva foi à luta. Adrien e William fizeram um jogo excepcional. Para além de terem aguentado o meio-campo com firmeza e insustentável cansaço nos minutos finais da partida, ainda tiveram forças para ir lá à frente fazer jogar, pressionar e apontar o golo que daria um pontinho precioso à equipa (no caso de Adrien). Carillo e Nani fecharam as alas como puderam e o peruano foi uma das unidades mais in do Sporting. Quando a equipa parecia não ter forças para reagir, o peruano sempre que teve bola na esquerda ou na direita manifestou garra para correr com a bola na sua posse e driblar os defensivamente fracos laterais do Schalke. Nani poderia ter feito melhor em várias situações: quando o jogo estava 2-3 poderia ter aproveitado um lance no qual entra na área mas não conseguiu ser expedito a rematar.

Aplausos também para as exibições de Cedric (falhou apenas no lance do segundo golo mas acertou em cheio no cruzamento para o 2º poste no golo de Adrien) e Jonathan Silva. O jovem argentino tem um futuro promissor pela frente. Aguentou Obasi como pode (não é fácil defender este nigeriano pela simplicidade como usa e abusa da sua rapidez para ganhar a linha de fundo) e conseguiu ter forças para subir no terreno, executar venenosos cruzamentos para a baliza de Fahrmann e ainda pressionar no último terço nos momentos em que a defensiva do Schalke aliviava bolas para o seu flanco, de modo a recuperar rapidamente a bola e executar uma nova vaga para a área. Paulo Oliveira e Sarr também fizeram interessantes exibições: o primeiro não teve medo de Huntelaar e o francês juntou à capacidade de sair bem a jogar quando a equipa precisou que ele conduzisse o esférico, 2 ou 3 cortes providenciais que evitaram males maiores.

Freddy Montero não tem de forma alguma o poder de choque de Slimani. O colombiano correu muito, pressionou muito e sempre que a equipa tentou colocar-lhe a bola em desespero soube estar no sítio certo para a receber e endossar de imediato para um companheiro sob pressão. Não tenho a menor dúvida em afirmar que se o Sporting tivesse o argelino em campo na altura do 3-3, uma ou duas bolas bem colocadas para a área do Schalke poderiam ter dado a vitória.

Quanto à equipa do Schalke, confesso que esperava mais. A solidez defensiva deixa a desejar. Dois laterais muito fracos do ponto de vista defensivo, facilmente permeáveis no 1×1. Benedikt Howedes é o único da defensiva que mantem a concentração durante os 90 minutos. Nas alas, é só potência de contra-ataque. Tanto Draxler pela esquerda como Obasi pela direita são jogadores que gostam de ter bola em transições rápidas: o alemão quase sempre tenta flectir para o meio em velocidade de forma a tentar desmarcar Huntelaar (quase sempre em fora-de-jogo. O holandês faz um truque de ilusão que engana os assistentes, colocando-se quase sempre à frente da linha defensiva num primeiro momento para num segundo momento, aquando do passe recuar rapidamente e dar a sensação que estava em linha) enquanto o nigeriano é um jogador vertical que, como referi, usa e abusa da velocidade para passar pelos adversários. Qualquer lateral com rapidez de movimentos e agilidade e uma marcação cerrada que não permita espaço ao nigeriano para colocar o seu drible, anula-o facilmente. Kevin-Prince Boateng é uma anedota daquilo que era nos tempos do Milan. Neustadter é um jogador interessante mas não é totalmente ineficaz no passe. Max Meyer esteve pouco tempo em jogo para mostrar aquilo que é: um 10 puro, fantasista. Os ausentes Joel Matip, Leon Goretzka, Jefferon Farfán e Tranquilo Barnetta dão outra consistência defensiva e ofensiva à equipa: o camaronês é fortíssimo no jogo aéreo, o internacional alemão cobre mais espaços que Hoger e dá outra dinâmica à circulação de bola e pensamento ofensivo da equipa, o peruano é dotado de recursos técnicos que Chinedu Obasi não possui e o internacional suiço é um jogador que acrescenta mais poder de fogo de meia-distância ao ataque da equipa orientada por Roberto Di Matteo.

As contas são fáceis de fazer. Sendo realista, o Sporting precisa de bater o Schalke em Alvalade (a equipa demonstrou argumentos que me fazem acreditar que esse será o desfecho final do jogo de Alvalade) e precisa que aconteça um de dois cenários:
– vence o Maribor e o Chelsea em Stamford Bridge e espera que o Schalke escorregue na deslocação à Eslovénia ou na deslocação a Inglaterra.
– vencendo o Schalke, vence o Maribor e espera que os alemães não consigam melhor que 1 ponto nessas duas deslocações. Imperiosa será a vitória frente aos alemães daqui a duas semanas.

Anúncios

breves #30

Liga dos Campeões 1 – São esperados 2500 adeptos do Athletic de Bilbao na Invicta para assistir à partida que irá opor a equipa portuguesa à equipa basca. Nas imagens televisivas que vi há pouco no telejornal da SIC vi que em duas partes distintas da cidade do Porto, as esplanadas dos cafés e restaurantes estavam repletas de simpáticos adeptos daquele clube do País Basco.

FC Porto – A SAD portista anunciou que a equipa de futebol terá um novo patrocínio nas camisolas na próxima temporada. A PT irá deixar de patrocinar a equipa em Junho de 2015. O patrocínio da PT, renovado em 2011, garantia aos cofres do clube da invicta um pacote mínimo de 14,6 milhões de euros por 4 temporadas, acrescido de prémios adicionais variáveis dependentes da performance desportiva da equipa. O Novo Banco também irá reformular a sua posição como Sponsor. O administrador da SAD Portista reiterou que as fontes de financiamento da SAD portista no dito banco continuam irrepreensíveis, ao contrário do Benfica, cuja conta caucionada de 70 milhões foi fechada por decisão de Vitor Bento, entretando demitido do banco por iniciativa própria.

FC Porto 2A SAD do Porto apresentou o relatório de contas respeitante ao exercício desportivo 13\14. Esta pode ser consultada em detalhe no site da CMVM. O administrador dos Dragões explicou o insucesso financeiro da época transacta pelo facto das vendas de Mangala e Defour só se terem realizado após 30 de Junho devido ao Mundial, pelo facto de não ter sido contabilizada uma receita de 10 milhões da Liga dos Campeões pelo facto do clube não ter entrado directamente na prova e pela redução de proveitos operacionais (receitas). O capital próprio dos dragões também desceu para números negativos, daí que se tenha justificado o recurso a um fundo de investimento para arrecadar parte do valor investido na contratação de Brahimi por exemplo.

UEFA Youth League – Os sub-19 do Porto somaram o 2º triunfo na fase-de-grupos da prova ao baterem o Athletic de Bilbao por 2-0. Os dragões lideram o seu grupo com 7 pontos e só precisam de vencer o Athletic em Espanha dentro de duas semanas para garantirem o apuramento para os oitavos de final. Em Gelsenkirchen, a equipa do Sporting perdeu por 3-0 frente ao Schalke e terá obrigatoriamente que vencer os 3 jogos que lhe restam para ter hipóteses de se apurar.

di matteo

Liga dos Campeões 2 – O novo treinador do Schalke é o italiano Roberto DiMatteo, treinador que já obteve uma vitória na prova em 2012 ao serviço do Chelsea. O treinador italiano afirmou na conferência de imprensa de antevisão ao jogo que espera encontrar um “Sporting a alinhar em 4x3x3 com uma cuidada circulação de bola e muito perigo vindo de acções individuais”. Interrogado sobre o facto de já ter vencido a prova por uma vez enquanto treinador, o antigo internacional italiano afirmou que “já não pensa nisso” porque “é passado e já lá vai”.

Cedric\Mais Futebol – Oportuno, a redacção do Mais Futebol brindou-nos hoje com uma interessante reportagem sobre Cedric no seu regresso à cidade onde nasceu: Gelsenkirchen. Para ler.

Bayern de Munique – Continua a pesca da equipa bávara em Dortmund. Depois de Gotze e Lewandowski, Karl-Heinze Rummenigge, novo presidente do Bayern, afirmou que o clube estará disposto a bater a clásula de 25 milhões de euros que está prevista para o final da próxima temporada no contrato de Marco Reus. Real, Arsenal, Barcelona, City e Juventus também estão de olho na possibilidade de poderem contratar o jogador por essa via.

UEFA – Michel Platini esteve presente durante esta manhã em Roma na reunião de Ministros do Desporto (o Estado Português foi representado pelo Secretário de Estado Emídio Guerreiro) para falar com os ministros do sector dos 28 sobre as novas regras do Fair Play Financeiro da UEFA. Segundo os rumores que correm na imprensa mundial, o líder da UEFA pediu aos mesmos e ao novo comissário europeu responsável pela pasta do Desporto que auxiliassem o organismo que preside a lutar pela proibição dos fundos de investimento no futebol através da criação de legislação europeia ou até nacional que proíba a sua actuação no espaço europeu ou nacional.

mannone

Sunderland – O guarda-redes italiano Vito Mannone foi a voz do descontentamento numa atitude que é tantas vezes repetida em situações análogas no futebol inglês. O guardião afirmou que irá falar com os seus colegas para “pagarmos o valor dos bilhetes e das viagens até Southampton. É difícil para nós, mas para eles também. Atirámos a toalha ao chão depois de sofrermos o primeiro golo. Perdemos por 8-0, mas não perdemos oito jogos por 1-0. Vamos aguentar esta derrota e seguir em frente”

Liga dos Campeões 3 – Dentro de hora e meia inicia-se o primeiro jogo da jornada de hoje. O CSKA recebe em Moscovo, em campo neutro (Estádio Khimki) à porta fechada (2º jogo de castigo dos 3 impostos pela UEFA após os desacatos de Roma na primeira jornada da fase-de-grupos).

Harry Redknapp\Adel Taarabt – O jogador marroquino não tem sido opção no QPR, último classificado da Premier League com apenas 4 pontos conquistados em 8 jornadas. O veterano treinador arrasou o jogador no final da partida contra o Liverpool: “Taarabt não está lesionado. Ele não está em forma. Não apresenta condição física que lhe permita jogar futebol. Ele jogou nas reservas recentemente e eu consigo correr mais do que ele. Não posso apostar nele. Não posso continuar a proteger pessoas que não querem correr ou treinar, que estão 19 quilos a mais. O que posso continuar a dizer, continuem a ganhar 60 ou 70 mil libras por semana e não treinem?”

Luis Suárez – O avançado do Barcelona explicou em declarações ao Sport que temeu pela sua carreira nos dias a que se seguiram à célebre mordidela em Chiellini. O uruguaio afirmou que se retirou com a família, reflectiu e pediu perdão pelo sucedido. Temeu que o Barcelona recuasse na sua contratação, mostrando-se muito feliz pelos catalães não o terem feito.

Chievo Verona – A derrota com a Roma por 3-0 ditou o afastamento de Eugénio Corini, histórico jogador do clube, do comando técnico da equipa. Rolando Maran é o novo treinador da equipa que se encontra em 18º lugar da Série A, o primeiro da despromoção, e de um plantel que conta com as presenças de jogadores como os guarda-redes Francesco Bardi ou veterano (ex-Real Madrid) Albano Bizarri, os centrais Dario Dainelli e Alessandro Gamberini, o esloveno Valter Birsa, o agressivo finlandês Perperim Hetemaj, os argentinos Ezequiel Schelotto e Maxi Lopez ou os avançados Sergio Pelissier e Alberto Paloschi.

Bruno Alves –

O presidente do Fenerbahce Aziz Yildrim mostrou-se furioso com a expulsão de Bruno Alves no derby de Istambul frente ao Galatasaray devido à entrada bárbara tão habitual no central português sobre o suiço Blerim Dzemaili. A expulsão do português ajudou à derrota por 1-0 frente ao eterno rival com golo do “insatisfeito” Wesley Sneijder. O incidente motivará, segundo o presidente do Fenerbahce, uma multa pesada para evitar novos actos de indisciplina dentro do clube.

cavalgadura do dia (2)

ribery 3

Novamente Platini. O presidente da UEFA afirmou que Franck Ribery (assim como outros jogadores que renunciem a jogar pelas suas selecções) devem ser sancionados com 3 jogos de castigo pelo seu clube. Não tem pés nem cabeça. Se um jogador com trinta e poucos anos achar que já não tem nada a oferecer à selecção ou nem sequer está predisposto a abdicar de tempo que pode passar com a família durante as duas semanas que tem “livres” durante as janelas internacionais, porque é que há de ser castigado por causa de uma decisão de semelhante espécie?

cavalgadura do dia

“Quem deve ganhar a Bola de Ouro é quem venceu o Mundial… E Ronaldo não ganhou” – Michel Platini

 

Não gosto de comentar este tipo de assuntos. A luta “Messi\Ronaldo” é quase como, perdoem-me a expressão, medir pilinhas. Em Espanha, a loucura é levada ao expoente: na próxima semana, se Messi ultrapassar o Record de Zarra no jogo do Bernabéu, o jogo pode parar para homenagear o argentino. É uma ideia de loucos, tratando-se daquele superclássico, ainda por cima, uma ideia patrocinada pela Liga de Clubes Espanhola.

O presidente da UEFA é isto: um perfeito ignorante-tendencioso que ignora por completo a razão de ser que consubstancia o prémio: a atribuição ao jogador que na opinião de todos os stakeholders que o decidem, teve a melhor prestação durante um ano civil. Não é a temporada da primeira metade do ano, ou durante a segunda. Não é atribuído pelos golos que marcou ou pelos títulos que ganhou. É atribuído mediante um critério meritocrático de regularidade de excelência nas exibições durante 12 meses. Desculpem que vos diga: tendo em conta esse critério, não creio que sejam só Ronaldo e Messi os únicos capazes de o vencer. Robben, Ribery, Zlatan, Iniesta, Koke, Tevez, Pirlo, Angel DiMaria, Gareth Bale, Luka Modric, Yaya Touré, Edinson Cavani, Luis Suarez, Leonardo Bonucci, Gervinho, Xabi Alonso, Ivan Rakitic, Diego Costa, David Silva, Raheem Sterling, Philipp Lahm, Marco Reus são jogadores que nos encantam jogo após jogo, ano após ano.

breves #28

Liga de Clubes – A repetição do acto eleitoral para a direcção do organismo já tem uma nova data marcada: 27 de Outubro. Um dos candidatos no primeiro acto eleitoral, entretanto anulado, já anunciou que não irá concorrer no novo acto eleitoral. O ex-presidente do Nacional da Madeira Rui Alves (o vício jurídico na candidatura de Rui Alves encontrava-se no facto de não ter sido esclarecida a saída da SAD nacionalista, entretanto efectuada em prol de Margarida Camacho) anunciou hoje que não irá submeter-se a novo escrutínio.

Num comunicado divulgado durante o dia de hoje, Rui Alves afirma as razões que o levaram a construir um projecto para a direcção do organismo e esclarece que desiste do novo acto eleitoral porque o presidente da mesa da AG da Liga (Carlos Deus Pereira) não soube interpretar as diferenças entre inelegibilidades e incompatibilidade de candidatura ao cargo à luz dos estatutos do organismo.

Parece-me claro, pelo conhecimento de causa que o presidente do Nacional parece demonstrar em relação à injusta distribuição de verbas que é realizada no futebol português, em específico pela Liga de Clubes, uma das bandeiras programáticas de outro candidato, neste caso do seu actual presidente em funções (Mário de Figueiredo) que o voto do Nacional nas próximas eleições deverá cair neste.

albania

Federação Albanesa – O presidente da Federação Albanesa de Futebol pretende uma investigação séria e independente aos factos ocorridos na terça-feira em Belgrado no Sérvia vs Albânia. O líder do futebol albanês afirmou que os jogadores da dita selecção “foram alvo do lançamento de um pedaço de betão, pedras, moedas e isqueiros” antes e durante o decorrer da partida em Belgrado por parte dos adeptos sérvios assim como alvo de gritos estridentes por parte destes a desejar a morte aos Albaneses. Armando Duka afirma que acima de qualquer outra suspeita, os seus jogadores foram vítimas de um comportamento racista, xenófobo e violento por parte dos adeptos sérvios, realçando que aquando da saída da equipa para os balneários, alguns jogadores foram agredidos por agentes de segurança e outros agentes da Federação Sérvia que se encontravam à entrada para o túnel de acesso aos balneários.

Michel Platini – Mais uma ideia louca capaz de estragar o futebol do líder da UEFA. Platini defende que as equipas possam fazer 5 substituições durante a partida. Por um lado concordo com a ideia mas por outro lado é uma ideia que poderá fomentar o anti-jogo, sendo que, nesta ideia, advoga a possibilidade das equipas fazerem duas substituições ao intervalo e 3 durante o decorrer do jogo.

O líder da UEFA também defendeu hoje no lançamento do livro de sua autoria “Parlons Football”, onde de resto apresenta estas e outras tantas ideias para “revolucionar” o futebol, a existência de um cartão branco, um novo cartão que serviria de punição intermédia entre o amarelo e o vermelho, garantindo uma sanção de 10 minutos ao jogador ao qual fosse exibido esse cartão por constantes protestos contra a actuação do árbitro. Este cartão, segundo o presidente da UEFA, servirá somente para estes propósitos que se estão a tornar, segundo palavras do próprio “uma epidemia no futebol mundial”. Não considero também uma ideia válida. Para punir estes actos já existe o cartão amarelo. Basta apenas que os árbitros sejam mais rigorosos no acto de mostrar o cartão a quem prevarique constantemente no decurso das partidas e alguma coragem para expulsar os jogadores que continuem a protestar com veemência depois de receberem um amarelo.

O presidente da UEFA também defendeu a possibilidade dos juízes de baliza entrarem dentro do campo para avaliar mais decisões do que aquelas que se passam na grande área assim como advogou a necessidade de eliminar com a “tripla penalização” (penalty, expulsão directa e suspensão) sempre que um jogador indiferenciado travar um oponente na área como último defesa. Esta última ideia é absolutamente ridícula constituíndo-se quase como um benefício para os infractores.

Michel Platini 2 – O presidente da UEFA aproveitou a ocasião para lançar umas farpas à perpetuação de Blatter na presidência da FIFA: “A FIFA funciona muitas vezes como uma máquina eleitoral ao serviço da manutenção de um homem. (…) É a sua principal característica (…) Não virá desta longa prática do poder uma vontade e uma capacidade de o conservar a todo custo?”

“A FIFA prospera graças ao maná que representa o Campeonato do Mundo de futebol, a cada quatro anos, mas ao mesmo tempo tem as federações [na mão] através da redistribuição deste mesmo maná. “Com mais de quatro mil milhões de dólares em receitas geradas pelo Mundial de 2014, não é normal que o programa Goal (investimentos em infraestruturas) tenha um orçamento anual ridículo, abaixo dos 40 milhões de dólares” – criticou com toda a razão o líder da UEFA. Acrescento mais: com 40 milhões de dólares, quase todos cativos para investimentos em infra-estruturas nos países mais desenvolvidos na modalidade quando deveriam ser investidos na sua maioria nos países que não possuem (boas) infra-estruturas para a prática desportiva.

William Carvalho –

william

O site italiano TuttoMercato publicou hoje uma notícia que dá conta do interesse do Milan no trinco leonino. Segundo o referido site, Adriano Galliani estará disposto a arranjar 35 milhões para fazer uma proposta ao Sporting pelo internacional português. O passe de William Carvalho está na posse do Sporting (60%) e pelo fundo Sporting Portugal Fund, fundo que era até há bem pouco tempo detido e gerido pela Espirito Santo Fundos de Investimento, agora pertença do Novo Banco. Foi este o fundo que adquiriu 40% dos direitos de económicos do jogador em Agosto de 2011 já sob a presidência de Godinho Lopes por 400 mil euros. O Sporting ainda não conseguiu negociar a recompra desta percentagem dos direitos económicos do jogador que tem contrato com a equipa leonina até 2018 e uma clásula de rescisão (não-negociável por Bruno de Carvalho numa possível transferência para outro clube) de 45 milhões de euros.

APAF – José Fontelas Gomes afirmou hoje que a Liga de Clubes se comprometeu a pagar os 25% dos salários em falta (desde Setembro) e prémios de jogo aos árbitros dos escalões profissionais.

Liga de Clubes 2 – A Liga de Clubes vive com enormes carências financeiras. O organismo não tem os seus orçamentos relativos a esta e à temporada passada aprovados pelos clubes. Gasta cerca de 12 milhões de euros na organização das provas oficiais que organiza (Liga e Taça da Liga), menos 9 milhões que as suas receitas.

Rolando – O Inter tentou negociar com o FC Porto nos últimos dias a desvinculação do central português. Rolando quer sair do FC Porto visto que não é opção para Lopetegui. Falou-se da possibilidade de ser emprestado na reabertura de mercado ao West Bromwich Albion da Premier League, equipa onde joga actualmente Silvestre Varela.

O director-geral do Inter Piero Ausilio não chegou a bom porto nas negociações com a SAD Portista: “”Rolando tem 29 anos e contrato até 2016. O FC Porto não o liberta e eu não pretendo voltar a negociar com eles” – disse o dirigente nerazzurri ao TuttoSport.

Selecção Romena – Apesar do 2º lugar do grupo de apuramento para o Euro 2016 e da conquista de 7 pontos em 9 possíveis, Victor Piturca e a Federação Romena decidiram terminar por mútuo acordo o contrato do treinador com a Federação Romena sem justificação aparente, poucos dias após o empate contra a Hungria (1-1) e a vitória na Finlândia (0-2). Lazlo Boloni, Cosmin Contra e Dan Petrescu são os 3 grandes candidatos à posição de seleccionador romeno.

Under-21 Premier League Internacional Cup – Já estão lançadas as bases para a primeira grande competição internacional no escalão de sub-21. A competição irá disputar-se em Inglaterra em Janeiro. FC Porto e Benfica são os únicos representantes lusos na prova que irá contar com a participação de clubes como Chelsea, Norwich, Manchester City, Schalke 04, Leicester, Borussia de Moenchagladbach, Fulham, West Ham, Everton, Sunderland, SV Eindhoven, Celtic e Villarreal.

Daniel Wass – O antigo jogador dinamarquês do Benfica Daniel Wass (passou pelo clube da Luz sem ter feito qualquer jogo oficial), jogador do Evian da Ligue 1, despertou a cobiça de Brandon Rodgers e José Mourinho. O defesa\médio direito está em alta neste início de temporada.

Lucas Ocampos – O Daily Mail dá conta que o Chelsea estará interessado no argentino que o Mónaco recrutou em 2012 ao River Plate. Os Blues estarão dispostos a oferecer 22 milhões de euros ao clube monegasco já na reabertura de mercado em Janeiro.

Dante – A viver na Alemanha há 8 anos, o central do Bayern de Munique revelou que pretende tornar-se cidadão alemão. Quero tornar-me alemão. Gostaria de permanecer na Alemanha após o fim da carreira e isso seria mais fácil se tivesse passaporte” – o jogador aproveitou também a entrevista concedida ao Bild para afirmar que não tem certeza do seu regresso à selecção. Com Dunga no comando técnico da selecção, o central nunca mais voltou a ser convocado.

thiago alcantara

Thiago Alcântara – O jogador espanhol do Bayern de Munique sofreu uma nova lesão queo irá retirar dos relvados por um longo e indeterminado período de tempo. O médio voltou a sofrer a mesma lesão que já o tinha retirado dos relvados por vários meses (e impedido de participar no campeonato do mundo) ou seja, uma rotura parcial do ligamento interno do joelho direito. Foi submetido a uma intervenção cirurgica na terça-feira e irá enfrentar um longo período de recuperação. O jogador afirmou nas redes sociais que vai continuar a lutar para regressar em grande aos relvados.

John O´Shea – O internacional irlandês de 33 anos, capitão do Southampton, renovou com o clube até 2017.

William Gallas –

gallas

O defesa francês anunciou hoje o final da carreira ao L´Equipe. Aos 37 anos, Gallas estava a jogar no Perth Glory da Liga Australiana. O polivalente defesa formado nas escolas do Racing Colombes 92 de Paris e no Centro Técnico Nacional de Formação Francesa de Clairefontaine jogou ao mais alto nível durante 19 anos no Caen, Marselha, Chelsea, Arsenal, Tottenham e Perth Glory. Foi internacional sub-20, sub-21 e AA pela França por 98 vezes (84 delas AA). Ganhou a Ligue 2 pelo Caen em 1996, 2 Premier League ao serviço do Chelsea com José Mourinho (Gallas chegou a ter problemas com Mourinho pelo facto de não querer actuar como defesa esquerdo), uma Taça da Liga pelo Chelsea em 2005, uma Supertaça Inglaterra em 2005 e uma Taça das Confederações pela Selecção Francesa em 2003. Viveu os seus tempos áureos como jogador a central (era impetuoso, muito agressivo, forte no jogo aéreo, muito faltoso mas também muito irregular) no Arsenal de Wenger entre 2006 e 2010.

Juventus – O TuttoSport adiantou em primeira mão ontem que os históricos proprietários da Juventus (a família Agnelli sob a responsabilidade de Andrea Agnelli) pretendem adquirir o controlo de uma SAD em Portugal para servir de clube satélite da Juve. Aproveitando as potencialidades que o futebol português oferece no desenvolvimento de jogadores com potencial, existe uma hipótese da família Agnelli assumir o controlo de um clube da 1ª liga para rodar jogadores por empréstimo da Juve, colocar jogadores extra-comunitários sem espaço nos quadros do clube de Turim ou contratar e rodar jovens talentos que tem saído da formação nacional. O site aponta o Belenenses e o Boavista como possíveis candidatos à recepção de uma proposta por parte dos holders do grupo FIAT. A família Agnelli terá 5 milhões para investir a curto prazo no clube que adquirir. O Granada, clube detido pela família Pozzo (detentora também da SPA da Udinese) é outra das hipóteses que estará a ser equacionada.

CAN – Mesmo apesar do Ministério do Desporto Marroquino ter enviado para a Confederação Africana de Futebol um pedido de adiamento para a competição (que se irá disputar em Janeiro e Fevereiro naquele país) por causa da epidemia de Ébola que tem assolado todo o continente, a entidade que tutela o futebol africano prometeu analisar o pedido no dia 2 de Novembro na reunião que irá ter lugar na Argélia mas afiançou que este não terá grandes probabilidades de diferimento.

A Organização da Prova, a cargo do Ministério do Desporto Marroquino, veio hoje afirmar que a prova não se irá realizar em território marroquino devido à epidemia.

“Vimo-nos obrigados a retirar-nos como sede da Taça de África das Nações de 2015, com efeito imediato, com o intuito de preservar a saúde dos nossos cidadãos. estamos dispostos a assumir as consequências”, declarou uma fonte do Ministério dos Desportos de Marrocos ao portal Supersport. A organização deu 3 soluções à CAF: adiar a prova para 2016, assumir a realização da prova de 2017 ou renunciar totalmente e assumir as consequências ao nível desportivo. A renúncia pode implicar uma sanção que impeça selecções e clubes marroquinos de participar nas provas organizadas pela CAF durante 6 anos.

Marrocos também detém neste momento os direitos de organização do Campeonato do Mundo de Clubes no próximo mês de Dezembro. Contudo, como a prova não deve ser afectada por um fluxo migratório considerável de cidadãos oriundos de países a braços com fortes surtos epidémicos, esta não está em risco.

Momentos #31

1ª parte – Marselha 1984 – O dia em que o herói francês Michel Platini e o herói impróvável Jean-François Domergue (segundo reza a história foi o convocado de última hora de Michael Hidalgo para suplantar a lesão de Yves Le Roux; entre 1984 e 1989 só faria 9 jogos pela selecção francesa, tendo feito os únicos 2 golos pelos Bleus naquele jogo no Velodrome) ofuscaram os melhores jogos das carreiras de Rui Jordão e Chalana.

Quando Nuno Gomes inaugurou o marcador no Heysel (re-baptizado Stade de le Roi Baudouin (Koning Boudewijn) depois da tragédia que ceifou a vida a dezenas de adeptos da Juventus e do Liverpool) todos nós estavamos a viver um autêntico sonho!

No início da competição, tínhamos dúvidas em relação ao potencial da nossa selecção. A qualificação tinha sido sofrida. A fase de qualificação para o Mundial de 1998 tinha sido repleta de casos: desde a expulsão injusta de Rui Costa (no Alemanha vs Portugal) ao soco de Sá Pinto em Artur Jorge. Até ao último momento, esperámos um deslize da Roménia que nos permitisse a qualificação directa. Conseguimos a qualificação como melhores segundos. Na altura vivia-se um autêntico clima de euforia no futebol português. Tínhamos ganho a organização do Euro 2004, víviamos os tempos áureos de Figo, de Couto, Rui Costa, Conceição, João Vieira Pinto, Nuno Gomes, de toda uma geração (cujo trabalho de base desde as camadas jovens até aquele momento era de 15 anos) que nos acalentava a possibilidade de atingir um dia as meias-finais de um europeu ou as meias-finais de um mundial.

O grupo não era fácil. A Inglaterra, embalada pelos Boys de Ferguson e por um conjunto de grandes jogadores de outros clubes como Sol Campbell, Seaman, Tony Adams, Alan Sharear, Owen, Mcmanaman, Southgate, Paul Ince, Steven Gerrard, Ian Wright ou Robbie Fowler era uma das principais candidatas à vitória do torneio. Ficou pelo caminho, graças ao célebre golo que dá o título a este blog. A Alemanha de Kahn, Babbel, Mehmet Scholl, Hassler, Kirsten, Mathaus, Jens Lehmann, Ballack, Dietmar Hamann, Jens Jeremies, Ziege, Deisler, Jancker, Bierhoff, Hans-Joerg Butt) era um colosso que, 2 anos depois da derrota que nos deixaria de fora do Mundial, naturalmente nos assustava. Ficou de fora devido à melhor exibição da carreira de Sérgio Conceição. A Roménia tinha vencido o nosso grupo de qualificação. Apurou-se mas antes provou com o fel com que nos tinha eliminado: um golo de Costinha nos últimos minutos.

A geração de ouro triunfava. Nos 3 jogos da fase de grupos e no jogo dos quartos frente à Turquia. Jogo no qual se bem se lembram, Figo trocou as voltas a um turco no lance do primeiro golo da partida.

Nuno Gomes marcava naquele fantástico volley. Mas a França tinha outros planos… A campeã mundial suou (Zidane suou) para nos eliminar de penalty naquele lance que todos, 14 anos depois, temos a bondade de perdoar a Abel Xavier.

Munique, 2006 – Como diz o típico ditado português “não há duas sem três” – A França seria novamente carrasca nas meias-finais de uma prova internacional por selecções. Das 5 vezes que atingimos esta fase, por 3 caímos contra os franceses. A espinha dorsal da nossa selecção era outra, construída por Mourinho no Porto. Acrescentada e valorizada com a experiência de Figo e a juventude de Cristiano Ronaldo. A história repetiu-se: num jogo de ocasiões de golo repartidas, Zizou capitulou o único erro de Ricardo Carvalho na marca dos onze metros. De nada valeu aquele penalty a Zizou senão a obtenção de uma medalha de prata na final que ficará para sempre marcada como o final de carreira inglório para o grande maestro do futebol gaulês.