O rei vai nu!

Ocorridas quase 24 horas da vergonha que aconteceu em Gelsenkirchen, não consigo de maneira nenhuma compreender a razão que tem motivado o silêncio da UEFA. Para uma instituição que apregoa aos sete ventos os valores do respeito e do fairplay no futebol, a omissão e a não-responsabilização dos actos cometidos que toda a europa repudiou e criticou, só me pode fazer concluir que no fim de contas, as bandeiras apregoadas por aquele organismo são puros clichés que só servem para serem inscritos nos galhardetes que são distribuídos nos jogos organizados pela instituição e prestar uma falsa mensagem a todos os agentes e adeptos.

O principal responsável da vergonha que se passou não é o árbitro da partida mas sim o próprio líder da UEFA, ao permitir que uma equipa participante na competição seja patrocinada pela mesma entidade que é uma das principais patrocinadoras da prova. Todos, inclusive, o árbitro da partida podem, dentro de algumas horas, dias, desculpabilizar-se pelos 3 erros cometidos em prejuízo do Sporting. Indesculpável será, para sempre, a promiscuidade existente entre o Schalke 04 e a organização do evento por uma via comum. O que aconteceu ao Sporting em Gelsenkirchen leva-me a uma pergunta básica, pergunta essa que deverá ser transversal à maioria dos adeptos de futebol em Portugal: até que ponto é que os patrocinadores da Champions League não são eles próprios o lobby interessado em delinear todas as fases da prova em prol do seu interesse próprio? Outras perguntas ocorreram-me de imediato na cabeça: e se o prejudicado fosse o Real Madrid ou o Bayern de Munique? Não teriam os dois clubes força necessária para conseguirem a repetição do jogo junto do organismo? As Federações Alemã e Espanhola não teriam tomado imediatamente uma posição forte junto do organismo ao invés de se manterem no silêncio como a Portuguesa? Valerá a pena para os clubes pequenos participar numa competição que está a ser completamente viciada em prol dos mais poderosos?

Michel Platini parece mais interessado em estragar o futebol com as suas visões loucas do que aplicar as modificações que o futebol moderno exige: para bem do futebol, a decisão humana dos árbitros de baliza, agentes susceptíveis pela condição humana de errar tantas ou mais vezes que o trio de arbitragem, deve ser modificada em prol da tecnologia e da fiabilidade do videoárbitro (nos mesmos moldes da sua bem sucedida aplicação em outras modalidades como o rugby). A promiscuidade de interesses não atinge apenas a relação entre jogadores, empresários e fundos. Concerne também a existência de patrocinadores comuns entre competições e clubes que disputam essas mesmas competições.

O Sporting Clube de Portugal pode queixar-se da subtracção de 4 pontos: um penalty que ficou por marcar em Alvalade frente ao Chelsea que poderia dar o empate ao clube português e os 3 pontos de Gelsenkirchen. Tomo portanto como ponto de partida para a derrota a própria expulsão de Maurício:
– O primeiro amarelo mostrado ao central brasileiro é justíssimo. O segundo amarelo é forçadíssimo. Se aquela carga por trás, longe da baliza, numa disputa pelo ar é passível de cartão amarelo, pois então, poucos centrais são aqueles que deverão por essa europa fora terminar os 90 minutos. Bruno Alves é o exemplo mais claro. Per Mertesacker (Arsenal), Leonardo Bonucci (Juventus), David Luiz (PSG) Sergio Busquets (Barcelona), Pepe (Real Madrid) e Omer Toprak (Leverkusen) são alguns dos centrais que abordam o mesmo tipo de lance com a mesma abordagem de Maurício. E quase sempre, nunca são sancionados com cartão nessas abordagens faltosas. Tudo isto me faz crer, tendo em conta a sólida exibição que Maurício estava a realizar, que Sergei Karasaev sabia perfeitamente que ia condicionar a excelente partida que o Sporting estava a realizar para equilibrar a contenda com a expulsão do central.
– No lance do segundo golo do Schalke, dou de barato pela posição de Huntelaar que é muito difícil ao assistente tirar o fora-de-jogo.- O lance do penalty é uma discussão disparatada e tendenciosa. O árbitro de baliza, responsável pela decisão, tinha o campo totalmente aberto para ver Jonathan Silva (de braços abertos e bem afastados da cabeça) cortar o esférico de forma legal.

Errar é humano. Cometer um erro é humano. Outra história é cometer 3 erros que beneficiam uma equipa. Outra história é, como pudemos observar, a falta de critério de Sergei Karasev. Numa falta vulgar como a de Maurício, praticada por tantos sem consequências disciplinares, o russo não teve pejo em expulsar. Em dois outros lances perigosos passíveis de amarelo, em um não marcou uma falta à entrada da área de Nani e noutro (falta dura de Sarr sobre Obasi na direita) marcou falta mas não sancionou o lateral do Sporting com o devido amarelo. Nas faltas a meio-campo do Schalke, algumas delas a travar iniciativas em contra-ataque, nenhum cartão saiu do bolso do árbitro russo para fazer cumprir as leis do jogo e as indicações da UEFA para essas circunstâncias do jogo.

A equipa leonina está de parabéns pelo jogo que realizou. Com 11 jogadores em campo, foi uma equipa muito organizada defensivamente, bem posicionada quando quis pressionar alto e condicionar a saída de jogo por parte dos centrais e do trinco Neustadter, capaz de recuperar muitas bolas a meio-campo e de suster a pressão exercida pela equipa alemã após o golo do Nani. Ofensivamente, circulou muito bem o esférico e teve a sorte de atingir o primeiro golo da partida num canto.

Depois da expulsão de Maurício, o Sporting voltou a provar que com menos 1 unidade consegue jogar para ganhar em qualquer campo do mundo. A equipa voltou a comportar-se de acordo com a tónica que tem sido desenvolvido por Marco Silva: mostrou resiliência e fé quando em desvantagem, organização, ambição (quando tentou pressionar alto) e cautela quando não tirava partido da pressão alta, descendo imediatamente as linhas para se reorganizar no seu meio-campo e tentar travar da maneira possível os ataques da equipa germânica. Patrício comete um erro imperdoável no primeiro golo, William não estava bem posicionado na jogada que deu o segundo e os centrais do Sporting estavam a dormir no lance do terceiro ao deixar Howedes cabecear à vontade. No entanto, a equipa de Marco Silva foi à luta. Adrien e William fizeram um jogo excepcional. Para além de terem aguentado o meio-campo com firmeza e insustentável cansaço nos minutos finais da partida, ainda tiveram forças para ir lá à frente fazer jogar, pressionar e apontar o golo que daria um pontinho precioso à equipa (no caso de Adrien). Carillo e Nani fecharam as alas como puderam e o peruano foi uma das unidades mais in do Sporting. Quando a equipa parecia não ter forças para reagir, o peruano sempre que teve bola na esquerda ou na direita manifestou garra para correr com a bola na sua posse e driblar os defensivamente fracos laterais do Schalke. Nani poderia ter feito melhor em várias situações: quando o jogo estava 2-3 poderia ter aproveitado um lance no qual entra na área mas não conseguiu ser expedito a rematar.

Aplausos também para as exibições de Cedric (falhou apenas no lance do segundo golo mas acertou em cheio no cruzamento para o 2º poste no golo de Adrien) e Jonathan Silva. O jovem argentino tem um futuro promissor pela frente. Aguentou Obasi como pode (não é fácil defender este nigeriano pela simplicidade como usa e abusa da sua rapidez para ganhar a linha de fundo) e conseguiu ter forças para subir no terreno, executar venenosos cruzamentos para a baliza de Fahrmann e ainda pressionar no último terço nos momentos em que a defensiva do Schalke aliviava bolas para o seu flanco, de modo a recuperar rapidamente a bola e executar uma nova vaga para a área. Paulo Oliveira e Sarr também fizeram interessantes exibições: o primeiro não teve medo de Huntelaar e o francês juntou à capacidade de sair bem a jogar quando a equipa precisou que ele conduzisse o esférico, 2 ou 3 cortes providenciais que evitaram males maiores.

Freddy Montero não tem de forma alguma o poder de choque de Slimani. O colombiano correu muito, pressionou muito e sempre que a equipa tentou colocar-lhe a bola em desespero soube estar no sítio certo para a receber e endossar de imediato para um companheiro sob pressão. Não tenho a menor dúvida em afirmar que se o Sporting tivesse o argelino em campo na altura do 3-3, uma ou duas bolas bem colocadas para a área do Schalke poderiam ter dado a vitória.

Quanto à equipa do Schalke, confesso que esperava mais. A solidez defensiva deixa a desejar. Dois laterais muito fracos do ponto de vista defensivo, facilmente permeáveis no 1×1. Benedikt Howedes é o único da defensiva que mantem a concentração durante os 90 minutos. Nas alas, é só potência de contra-ataque. Tanto Draxler pela esquerda como Obasi pela direita são jogadores que gostam de ter bola em transições rápidas: o alemão quase sempre tenta flectir para o meio em velocidade de forma a tentar desmarcar Huntelaar (quase sempre em fora-de-jogo. O holandês faz um truque de ilusão que engana os assistentes, colocando-se quase sempre à frente da linha defensiva num primeiro momento para num segundo momento, aquando do passe recuar rapidamente e dar a sensação que estava em linha) enquanto o nigeriano é um jogador vertical que, como referi, usa e abusa da velocidade para passar pelos adversários. Qualquer lateral com rapidez de movimentos e agilidade e uma marcação cerrada que não permita espaço ao nigeriano para colocar o seu drible, anula-o facilmente. Kevin-Prince Boateng é uma anedota daquilo que era nos tempos do Milan. Neustadter é um jogador interessante mas não é totalmente ineficaz no passe. Max Meyer esteve pouco tempo em jogo para mostrar aquilo que é: um 10 puro, fantasista. Os ausentes Joel Matip, Leon Goretzka, Jefferon Farfán e Tranquilo Barnetta dão outra consistência defensiva e ofensiva à equipa: o camaronês é fortíssimo no jogo aéreo, o internacional alemão cobre mais espaços que Hoger e dá outra dinâmica à circulação de bola e pensamento ofensivo da equipa, o peruano é dotado de recursos técnicos que Chinedu Obasi não possui e o internacional suiço é um jogador que acrescenta mais poder de fogo de meia-distância ao ataque da equipa orientada por Roberto Di Matteo.

As contas são fáceis de fazer. Sendo realista, o Sporting precisa de bater o Schalke em Alvalade (a equipa demonstrou argumentos que me fazem acreditar que esse será o desfecho final do jogo de Alvalade) e precisa que aconteça um de dois cenários:
– vence o Maribor e o Chelsea em Stamford Bridge e espera que o Schalke escorregue na deslocação à Eslovénia ou na deslocação a Inglaterra.
– vencendo o Schalke, vence o Maribor e espera que os alemães não consigam melhor que 1 ponto nessas duas deslocações. Imperiosa será a vitória frente aos alemães daqui a duas semanas.

Anúncios

breves #30

Liga dos Campeões 1 – São esperados 2500 adeptos do Athletic de Bilbao na Invicta para assistir à partida que irá opor a equipa portuguesa à equipa basca. Nas imagens televisivas que vi há pouco no telejornal da SIC vi que em duas partes distintas da cidade do Porto, as esplanadas dos cafés e restaurantes estavam repletas de simpáticos adeptos daquele clube do País Basco.

FC Porto – A SAD portista anunciou que a equipa de futebol terá um novo patrocínio nas camisolas na próxima temporada. A PT irá deixar de patrocinar a equipa em Junho de 2015. O patrocínio da PT, renovado em 2011, garantia aos cofres do clube da invicta um pacote mínimo de 14,6 milhões de euros por 4 temporadas, acrescido de prémios adicionais variáveis dependentes da performance desportiva da equipa. O Novo Banco também irá reformular a sua posição como Sponsor. O administrador da SAD Portista reiterou que as fontes de financiamento da SAD portista no dito banco continuam irrepreensíveis, ao contrário do Benfica, cuja conta caucionada de 70 milhões foi fechada por decisão de Vitor Bento, entretando demitido do banco por iniciativa própria.

FC Porto 2A SAD do Porto apresentou o relatório de contas respeitante ao exercício desportivo 13\14. Esta pode ser consultada em detalhe no site da CMVM. O administrador dos Dragões explicou o insucesso financeiro da época transacta pelo facto das vendas de Mangala e Defour só se terem realizado após 30 de Junho devido ao Mundial, pelo facto de não ter sido contabilizada uma receita de 10 milhões da Liga dos Campeões pelo facto do clube não ter entrado directamente na prova e pela redução de proveitos operacionais (receitas). O capital próprio dos dragões também desceu para números negativos, daí que se tenha justificado o recurso a um fundo de investimento para arrecadar parte do valor investido na contratação de Brahimi por exemplo.

UEFA Youth League – Os sub-19 do Porto somaram o 2º triunfo na fase-de-grupos da prova ao baterem o Athletic de Bilbao por 2-0. Os dragões lideram o seu grupo com 7 pontos e só precisam de vencer o Athletic em Espanha dentro de duas semanas para garantirem o apuramento para os oitavos de final. Em Gelsenkirchen, a equipa do Sporting perdeu por 3-0 frente ao Schalke e terá obrigatoriamente que vencer os 3 jogos que lhe restam para ter hipóteses de se apurar.

di matteo

Liga dos Campeões 2 – O novo treinador do Schalke é o italiano Roberto DiMatteo, treinador que já obteve uma vitória na prova em 2012 ao serviço do Chelsea. O treinador italiano afirmou na conferência de imprensa de antevisão ao jogo que espera encontrar um “Sporting a alinhar em 4x3x3 com uma cuidada circulação de bola e muito perigo vindo de acções individuais”. Interrogado sobre o facto de já ter vencido a prova por uma vez enquanto treinador, o antigo internacional italiano afirmou que “já não pensa nisso” porque “é passado e já lá vai”.

Cedric\Mais Futebol – Oportuno, a redacção do Mais Futebol brindou-nos hoje com uma interessante reportagem sobre Cedric no seu regresso à cidade onde nasceu: Gelsenkirchen. Para ler.

Bayern de Munique – Continua a pesca da equipa bávara em Dortmund. Depois de Gotze e Lewandowski, Karl-Heinze Rummenigge, novo presidente do Bayern, afirmou que o clube estará disposto a bater a clásula de 25 milhões de euros que está prevista para o final da próxima temporada no contrato de Marco Reus. Real, Arsenal, Barcelona, City e Juventus também estão de olho na possibilidade de poderem contratar o jogador por essa via.

UEFA – Michel Platini esteve presente durante esta manhã em Roma na reunião de Ministros do Desporto (o Estado Português foi representado pelo Secretário de Estado Emídio Guerreiro) para falar com os ministros do sector dos 28 sobre as novas regras do Fair Play Financeiro da UEFA. Segundo os rumores que correm na imprensa mundial, o líder da UEFA pediu aos mesmos e ao novo comissário europeu responsável pela pasta do Desporto que auxiliassem o organismo que preside a lutar pela proibição dos fundos de investimento no futebol através da criação de legislação europeia ou até nacional que proíba a sua actuação no espaço europeu ou nacional.

mannone

Sunderland – O guarda-redes italiano Vito Mannone foi a voz do descontentamento numa atitude que é tantas vezes repetida em situações análogas no futebol inglês. O guardião afirmou que irá falar com os seus colegas para “pagarmos o valor dos bilhetes e das viagens até Southampton. É difícil para nós, mas para eles também. Atirámos a toalha ao chão depois de sofrermos o primeiro golo. Perdemos por 8-0, mas não perdemos oito jogos por 1-0. Vamos aguentar esta derrota e seguir em frente”

Liga dos Campeões 3 – Dentro de hora e meia inicia-se o primeiro jogo da jornada de hoje. O CSKA recebe em Moscovo, em campo neutro (Estádio Khimki) à porta fechada (2º jogo de castigo dos 3 impostos pela UEFA após os desacatos de Roma na primeira jornada da fase-de-grupos).

Harry Redknapp\Adel Taarabt – O jogador marroquino não tem sido opção no QPR, último classificado da Premier League com apenas 4 pontos conquistados em 8 jornadas. O veterano treinador arrasou o jogador no final da partida contra o Liverpool: “Taarabt não está lesionado. Ele não está em forma. Não apresenta condição física que lhe permita jogar futebol. Ele jogou nas reservas recentemente e eu consigo correr mais do que ele. Não posso apostar nele. Não posso continuar a proteger pessoas que não querem correr ou treinar, que estão 19 quilos a mais. O que posso continuar a dizer, continuem a ganhar 60 ou 70 mil libras por semana e não treinem?”

Luis Suárez – O avançado do Barcelona explicou em declarações ao Sport que temeu pela sua carreira nos dias a que se seguiram à célebre mordidela em Chiellini. O uruguaio afirmou que se retirou com a família, reflectiu e pediu perdão pelo sucedido. Temeu que o Barcelona recuasse na sua contratação, mostrando-se muito feliz pelos catalães não o terem feito.

Chievo Verona – A derrota com a Roma por 3-0 ditou o afastamento de Eugénio Corini, histórico jogador do clube, do comando técnico da equipa. Rolando Maran é o novo treinador da equipa que se encontra em 18º lugar da Série A, o primeiro da despromoção, e de um plantel que conta com as presenças de jogadores como os guarda-redes Francesco Bardi ou veterano (ex-Real Madrid) Albano Bizarri, os centrais Dario Dainelli e Alessandro Gamberini, o esloveno Valter Birsa, o agressivo finlandês Perperim Hetemaj, os argentinos Ezequiel Schelotto e Maxi Lopez ou os avançados Sergio Pelissier e Alberto Paloschi.

Bruno Alves –

O presidente do Fenerbahce Aziz Yildrim mostrou-se furioso com a expulsão de Bruno Alves no derby de Istambul frente ao Galatasaray devido à entrada bárbara tão habitual no central português sobre o suiço Blerim Dzemaili. A expulsão do português ajudou à derrota por 1-0 frente ao eterno rival com golo do “insatisfeito” Wesley Sneijder. O incidente motivará, segundo o presidente do Fenerbahce, uma multa pesada para evitar novos actos de indisciplina dentro do clube.

A fantástica selecção de sub-21

A selecção de sub-21 está de parabéns pela conquista obtida em Paços de Ferreira ao apurar-se pela 9ª vez para o europeu da categoria desde a sua criação em 1978!

Em primeiro lugar, Rui Jorge está de parabéns. O seleccionador português fez um trabalho fantástico, mesmo quando a Selecção A lhe foi roubando atletas fruto das suas necessidades ao longo dos últimos meses (Bruma, João Mário, André Gomes, William Carvalho, Ricardo Horta, Cedric, Ivo Pinto, Anthony Lopes, Ruben Vezo, Rafa, Ivan Cavaleiro), manteve um discurso coerente assente na prosecução de um objectivo que tinha que ser atingido a qualquer custo (a qualificação), moralizou as tropas de que dispôs em redor desses objectivos e no final conseguiu o melhor de dois mundos: a qualificação só com vitórias (a bom da verdade, esta Holanda mostrou muito mais no jogo de Paços de Ferreira do que no jogo de Alkmaar e vendo bem as coisas esteve bastante perto em duas ocasiões de liderar a qualificatória por golos fora) e o desenvolvimento ao mais alto nível de jogadores que, a meu ver, terão quase todos o seu espaço na próxima geração da selecção A.  Pode-se até dizer que esta equipa até fica melhor sem os jogadores que entretanto deixaram de participar no trajecto por terem subido aos AA, mas, para uma fase-de-qualificação daquele nível de exigência, não levar o trio do meio-campo que a Selecção A “roubou” à selecção de sub-21 poderá considerar-se um crime.

A turma portuguesa desenvolveu-se, ganhou experiência internacional, praticou um futebol vistoso e mereceu por inteiro esta qualificação pelo futebol desenvolvido, pelo brilhantismo individual demonstrado por alguns dos seus actores (Bernardo Silva foi sem dúvida aquele que demonstrou mais talento neste trajecto) e pelo trabalho desenvolvido no plano mental. Mesmo a um passo da eliminação quando a Holanda vencia, os jogadores portugueses souberam quase sempre dar a volta por cima e encontrar forças para vencer o jogo.

Esperemos que a caminhada vitoriosa se mantenha na República Checa. Depois deste prodigioso apuramento, é difícil não esconder a ambição que rodeia esta selecção: vencer o Europeu que será disputado no próximo mês de Junho naquele país do centro da europa. No entanto, é preciso ter noção da realidade que esta selecção irá encontrar na República Checa: assim como nós temos um leque de jogadores a jogar ao mais alto nível em grandes ligas europeias e até em grandes clubes europeus (alguns deles são opções regulares em clubes que estão no topo das principais ligas europeias e em clubes que disputam a champions), as outras selecções também os tem e, até tem jogadores muito mais calejados ao nível de experiência internacional como são os casos de Federico Bernardeschi (Itália\Fiorentina), Ter Stegen (Alemanha\Barcelona), Jonas Hoffman (Mainz\Borussia de Dortmund\Alemanha), Bernd Leno (Alemanha\Bayer Leverkusen), Max Meyer (Schalke\Alemanha), Nemanja Radoja (Sérvia\Celta de Vigo), Lucas Andersen (Dinamarca\Ajax), John Guidetti (Celtic\Manchester City\Suécia), Luke Shaw (Manchester United\Inglaterra), Tom Ince (Crystal Palace\Inglaterra) ou a dupla do Tottenham Eric Dier e Harry Kane. Isto não contando com a possibilidade de virmos a ter no Europeu jogadores cujas idades ainda permitem jogar esta competição, mas que já passaram há muito para as selecções principais dos seus países como são os casos de  Milos Jojic e Lazar Markovic (Sérvia), Skodran Mustafi, Erik Durm, Mathias Ginter, Leon Goretzka, Emre Can (Alemanha), Pierre-Emile Hojbjerg e Youssuf Poulsen (Dinamarca) ou Calum Chambers e Raheem Sterling (Inglaterra). Este europeu será sem dúvida a rampa de lançamento de muitos talentos para a alta roda do futebol europeu.

De Penafiel

Da excelente exibição do Sporting por terras durienses ficam na retina:

– uma maior coesão dos centrais. Naby Sarr a exibir-se a um nível mais elevado perante uma equipa do Penafiel que coloca uma velocidade medonha nas transições em contra-ataque.

– Nani. É o autêntico playmaker desta equipa. Se a equipa optar por flanquear o jogo através da sua forma clássica (combinação entre lateral e extremo com um destes a cruzar) sabemos que tanto Nani como Jonathan Silva tem uma capacidade de cruzamento acima da média, Jefferson e Capel tem uma capacidade mediana e Cedric já teve melhores dias neste capítulo. Carrillo e Héldon são um profundo desastre neste capítulo. Se a equipa flanquear o jogo e apostar no desequilíbrio criado através da combinação entre lateral e extremo, com um deles a entrar na área pelo flanco, temos aí o melhor jogo do português e o melhor jogo do peruano. Com resultados à vista. Se o internacional português tentar flectir para o meio, é mortífero no remate em qualquer uma das alas com os dois pés.

– Slimani: uma cabeçada fantástica e um golo portentoso com os pés. O argelino está a calar quem tem insistindo ultimamente na crítica ao seu jogo de pés. Está a melhor a olhos vistos na finalização com os dois pés e acima de tudo, já se sente confortável em vir fora da área arrastar as marcações, receber de fora e encaminhar a bola para um companheiro vindo de trás.

– O golo de Montero, 8 meses depois do último golo. O colombiano sentiu que aquela bola poderia alterar a sua sorte. Cerrou os dentes e empurrou uma bola que ia com uma velocidade estonteante, muito difícil de alcançar para muitos pontas-de-lança. A sorte protege os audazes. Esperemos que o Colombiano saia do banco para facturar muitos mais durante esta temporada.

Crónica #15 – Sporting 0-1 Chelsea

O super poderoso Chelsea cumpriu a sua obrigação (enquanto principal favorito ao primeiro lugar do grupo e candidato à vitória na Champions) de vir vencer a Alvalade o Sporting. Se por um lado, pelas oportunidades de golo flagrantes que tiveram ao longo dos 90 minutos, os Blues mereceram a vitória e até justificaram vencer de forma mais expressiva, não é menos verdade que pelo futebol praticado no 2º tempo e por lances onde a equipa leonina poderia ter marcado, o Sporting também fez pela vida e lutou para merecer o empate.

Homem do jogo foi claramente Rui Patrício. No lance do único golo da partida, o difícil cabeceamento ao 2º poste de Matic foi indefensável para o guarda-redes português. Contudo, Patrício podia ter feito mais na abordagem ao cruzamento. Como hesitou permitiu que a bola chegasse em boas condições ao sérvio. A culpa do golo sofrido não deve de maneira alguma ser imputada nem ao guarda-redes nem a Jonathan Silva, o jogador do Sporting encarregue de vigiar Matic e proteger o 2º poste mas sim ao desleixo cometido por Marco Silva na preparação das bolas paradas defensivas: sendo Matic um dos melhores cabeceadores deste Chelsea, nunca poderá aparecer praticamente sozinho ao 2º poste ou sem um marcador capaz de ombrear no jogo aéreo com o médio defensivo do Chelsea.

Devido ao normal nervosismo derivado do facto de estar a jogar contra uma das grandes equipas europeias, o Sporting deu 45 minutos ao Chelsea para colocar no relvado de Alvalade a sua mais poderosa arma: as rápidas transições para o ataque e os fortíssimos lançamentos para as costas da defesa, onde Diego Costa (sempre muito bem municiado por Óscar e Hazard) ou Andre Schurrle se sentiram como peixes na água. Aproveitando situações de perda de bola do meio-campo do Sporting, os jogadores do ataque do Chelsea foram objectivos a lançar estes dois jogadores nas costas dos defensores leoninos. Marco Silva voltou a pedir à sua defesa que subisse rápido no terreno para deixar os avançados contrários em fora-de-jogo, mas, em algumas situações estes não foram rápidos a fazê-lo permitindo que Diego Costa aparecesse a receber a bola (ora através de passes a rasgar por parte de Óscar, ora através de passes a rasgar de Eden Hazard com o brasileiro a executar as suas famosas e eficazes diagonais) e o alemão a aproveitar da melhor forma o espaço em vazio que Jonathan Silva deixava no flanco fruto das suas agressivas subidas no terreno, que, teimosamente não voltaram a ser cobertas por um dos médios interiores como de resto já tinha acontecido na 2ª parte do jogo contra o Porto. Quando Jonathan Silva sobe em demasia no terreno e não consegue recuperar, o espaço é quase sempre fechado por Naby Sarr que, ao fazê-lo descompensa a área, deixando quase sempre Maurício para 2.

No ataque, o problema começou em William. No primeiro tempo, o jogador não só não conseguiu cobrir os espaços que habitualmente controla como não recuperou bolas e exibiu-se a um péssimo nível no capítulo do passe e da contenção de bola quando a equipa necessitava que, em vez de tresloucadamente passar a bola para o primeiro colega que visse, guardasse mais a bola e deixasse a equipa recompor-se posicionalmente de forma a conseguir construir uma jogada com nexo. Nas alas, Felipe Luis e Branislav Ivanovic estiveram exímios na marcação a Carrillo e a Nani através de uma pressão instantânea sempre que estes dois recebiam a bola e na própria abordagem defensiva. O português não levou a melhor sobre o sérvio em nenhum drible contra ele intentado no primeiro tempo e o peruano nunca conseguiu receber e virar-se para a baliza contrária, optando quase sempre por devolver a bola ao passador ou encaminhá-la para Adrien ou João Mário. Só no segundo tempo, já com o Chelsea a gerir a vantagem com um recuo de linhas defensivas promovido por José Mourinho e com uma estratégia clara de, recuar, defender bem e sair rapidamente no contragolpe através de lançamentos longos, é que vimos Carrillo e Nani mostrar a sua expansividade no drible. O peruano fez três arrancadas loucas que suspiraram bruás de Alvalade, tendo sido uma delas travada inextremis por Gary Cahill à entrada da área inglesa e o português, tirou do sério Felipe Luis pela ala esquerda, obrigando o brasileiro a cometer duas faltas que a meu ver seriam motivo para a sua expulsão por acumulação de amarelos: a primeira quando o árbitro não assinalou um empurrão ostentivo à entrada da área e a segunda no lance junto à linha no qual o antigo jogador do Atlético de Madrid recebeu o seu único amarelo da partida depois de ceifar sem piedade o jogador português.

O próprio Jonathan Silva mostrou muita garra nas duas situações em que conseguiu recuperar a bola no seu flanco e correu desalmadamente com ela em slaloms por entre adversários. O argentino revela-se cada vez mais como um jogador raçudo que, apesar de apresentar algum défice a defender, compensa no plano ofensivo. Para além de ser destemido, vertical e objectivo na subida com bola pelo flanco, é um jogador que tem um excelente cruzamento para a área, factor que pode ser importante dado o poder de fogo de Slimani no jogo aéreo.

Com Adrien a acelerar muito bem a meio-campo e muito assertivo no capítulo do passe e João Mário, ao lado, a dar muita luta no meio-campo, critério e organização no pensamento dos ataques leoninos, faltou ao Sporting novamente créditos na altura de finalizar. Slimani teve uma bola na sua cabeça passível de golo. Nani baqueou na área num lance em que ficou na cara de Courtois, Freddy Montero esteve perto do golo quando ao primeiro poste (solto de marcação) atirou ao lado e Nani, poderia ter chegado ao golo do empate naquele lance típico que tem evidenciado desde que chegou a Portugal no qual recebe na direita, puxa a bola para o meio e remata com pompa com o pé esquerdo. Assim como, do outro lado, aproveitando os erros de Naby Sarr no posicionamento, Oscar e Diego Costa poderiam ter sido mais eficazes na cara de Rui Patrício.

Uma luta particular nesta partida foi a luta travada entre Eden Hazard e Adrien. Na primeira parte, o lateral deixou o criativo do Chelsea à solta. Das suas acções individuais resultaram duas bolas importantíssimas: uma que Schurrle falhou na cara de Patrício depois de o tentar contornar e outra nos pés de Diego Costa. Na segunda parte, o lateral formado em Alvalade cerrou os dentes e como se diz na gíria “pegou o touro pelos cornos” – Hazard não teve tantas veleidades para meter o seu fortíssimo drible curto e para flectir para o meio da ala esquerda, movimento onde causa muito perigo com os seus milimétricos passes a rasgar.

Uma exibição de alto nível foi a que Nemanja Matic realizou em Alvalade. Com Mourinho, o sérvio cresceu ainda muito mais. Se com Jesus foi requalificado como um médio defensivo de excelência, sempre presente na cobertura de espaços no miolo e começou a conseguir sair a jogar com toda a pompa e circunstância, rompendo as primeiras linhas de pressão com bola sempre que nenhum colega lhe oferecesse uma linha de passe segura, com Mourinho, o sérvio já funciona quase como um box-to-box, fazendo tudo o que aprendeu com Jesus e acrescentando uma capacidade até aqui desconhecida, a capacidade de imiscuir-se no último terço do terreno com o esférico na sua posse a alta velocidade, capaz, também ele de poder construir situações de finalização para os seus companheiros em situações de manifesta falta de mobilidade dos seus companheiros para criar as tais linhas de passe.

Maurício fez dois cortes providenciais a Diego Costa em acções do hispano-brasileiro e saiu graças a uma atitude muito inteligente: sabendo que dali poderia ter surgido o 2-0 (matava o jogo) para o Chelsea, sendo o último defensor do Sporting cometeu uma falta inteligente ao ceifar o jogador do Chelsea. A eventual expulsão do brasileiro nesse lance é discutível. A regra para estes casos é a seguinte: se corta um lance iminente de golo, o árbitro tem que expulsar. Se não corta um lance iminente de golo, o árbitro deve mostrar apenas o cartão amarelo. Como era o último defensor, o vermelho directo aceitava-se. Mas como Cedric ainda estava no enfiamento da jogada (as imagens do lance mostram o lateral num acto preventivo a correr para o lado onde Diego Costa tinha adiantado a bola caso Maurício fosse ultrapassado para o brasileiro) e o lance faltoso foi cometido muito longe da baliza, também se aceita o amarelo. Qualquer acção disciplinar neste lance depende da interpretação do árbitro da partida.

Ao nível da arbitragem, o árbitro espanhol Mateu Lahoz mostrou alguma dualidade de critérios nos amarelos exibidos às duas equipas, esteve muito mal quando decidiu “não ver” o empurrão de Felipe Luis a Nani (se esta primeira falta é assinalada, o brasileiro recebe aqui o primeiro amarelo, sendo expulso na 2ª falta sobre Nani), existiu outro lance onde fiquei com dúvidas: num lance em que Carrillo tenta passar por Cesc Fabrègas dentro da área. O médio inglês não joga a bola e ceifa o extremo peruano.

Nota final para o regresso a Alvalade de José Mourinho – o técnico português bem ao seu estilo, recheou os 90 minutos de muito showoff. Ora a falar com os bombeiros aquando do golo do Chelsea, ora no final quando deixou Marco Silva de mão estendida para ir cumprimentar Rui Patrício. Ao seu estilo!

Da eslovénia

1. Confesso que fiquei novamente defraudado com a exibição do Sporting. Pensei que durante a semana, o presidente tivesse cometido a graciosidade de ir dar uma palavrinha mais ríspida aos jogadores de modo a alterar a sua atitude, mas, ao fim ao cabo, a atitude foi a mesma, os erros cometidos foram exactamente os mesmos que se tem cometido até aqui, e a qualidade da equipa, neste momento, está longe de ser a melhor.

2. Tenho lido por aí a opinião que Naby Sarr tem o mesmo potencial de Mangala quando chegou ao Porto. Depois de observar o jogador atentamente durante estes 5 jogos oficiais, não posso concordar. Quando chegou ao Porto, Mangala já era internacional sub-21 pela frança e titular indiscutível de um clube de nível médio com aspirações crónicas ao título nacional belga (o Standard de Liège) – o outro é internacional sub-20 pela França mas ao nível do seu antigo clube (Olympique Lyonnais) apenas jogou em 6 ocasiões na temporada passada, passando grande parte da época a jogar pelas reservas do clube. Acresce também o facto do Olympique Lyonnais ter apostado nos últimos anos na sua formação, em virtude das dificuldades financeiras e desportivas que atravessa n0 hiato cavado com a perda do título nacional francês em 2009\2010 após 7 épocas vitoriosas. Se um jogador formado na casa não actua com regularidade no clube quando este está claramente virado ao nível estratégico para apostar nessa mesma prata da casa e é vendido a um clube português por 1 milhão de euros mais objectivos, é sinal que esse mesmo clube não vislumbra futuro no jogador. Se um chegou ao Porto e a princípio cometeu alguns erros, erros que deverão ser considerados como normais na adaptação do jogador à sua nova realidade, mas rapidamente trabalhou para colmatar as lacunas do seu jogo (foi notória a evolução de Mangala ao nível posicional, ao nível de tomadas de decisão, ao nível da diminuição da impetuosidade com que abordava os lances; escondendo de certo modo as limitações que apresenta ao nível de jogo para as suas costas dada a falta de velocidade inerente à sua envergadura física com um sentido posicional exímio), tornou-se o patrão indiscutível da defesa do clube e foi vendido, literalmente, por uma pipa de massa. De Sarr não temos visto mais do que um central lento, extremamente permissivo, com imensas dificuldades em recuperar no terreno quando o avançado contrário é solicitado em desmarcação nas suas costas, fraquíssimo técnicamente, com um nível de decisão nos lances de bradar aos céus (mesmo quando é chamado a desarmar, fá-lo de forma sofrível; no lance do golo do Maribor estava sozinho e tinha tudo para, pelo menos, cabecear para a frente) e com pouca habilidade para sair a jogar. Comparar Mangala quando chegou ao Porto ao actual estado de Naby Sarr e às exibições com que nos tem brindado neste arranque de temporada é como comparar Jesus Cristo ao anjo Lucifer.

3. Estava sozinho. Poderia ter feito tudo: cabecear para a frente, para o guarda-redes, para as alas, para fora. Menos para o lado onde estava o adversário. Maurício ajudou. De Maurício tenho dito: não esperemos muito. Fiel a si próprio é um central duro à moda antiga. Também não sabe avaliar a abordagem ideal que deve ter aos lances, falha que o leva a cometer faltas em lances que não constituem perigo. Dá Pau para todos os gostos quando não deve dar, ficando passivo nas jogadas em que deve brindar o adversário com uma castanhada a doer. Ontem, conseguiu ajudar Sarr a dar 1 ponto e 500 mil euros de prémio ao modesto Maribor da Eslovénia…

4… que é, à semelhança do Sporting uma equipa que não tem qualidade para estar na Champions. Defenderam muito bem e capitalizaram a falta de velocidade no jogo do Sporting, a falta de ambição, os sucessivos passes falhados que Adrien e William fizeram na primeira fase de construção da equipa, a falta de sincronização entre os elementos do ataque do Sporting. Começaram a acreditar que podiam vencer e em duas ou três situações só não marcaram porque estava lá Patrício ou o São Poste.

5. O que é que se passa com Adrien, William, Jefferson, André Martins Carrillo? – Se o primeiro anda a brindar-nos com jogos cheios de passes falhados atrás de passes falhados e o segundo tem jogos em que consegue batalhar e ganhar muitas bolas no meio-campo, outros em que todas as bolas lhe passam ao lado e, todos, em que não consegue meter 10 passes a 5 metros no início da construção da equipa após recuperação de bola, é caso para perguntar se estes dois jogadores andam com a cabeça em Alvalade. A resposta é simples: não.

Outro que não tem andado entre nós é Jefferson. Marco Silva já deveria ter colocado Jonathan Silva na esquerda da defesa. Nem que a escolha tivesse como propósito afectar o orgulho do brasileiro. Jefferson está a revelar falta de concorrência na sua posição. Defende mal (dá um espaço enorme ao ala contrário para manietar a bola de acordo com a sua vontade; não fecha ao meio, no ataque nem cruza nem mija nem tosse; Jefferson anda por ali a correr desenfreadamente com a bola pela linha até que ele saia do terreno de jogo).

Os dois últimos são dois case-studies de valor para qualquer psicológo interessado na área desportiva. O primeiro faz grandes pré-temporadas. Terminando os jogos de preparação ausenta-se do campo durante 12 meses, limitando-se a correr por lá de vez em quando. Já foi testado por Jardim como um médio interior cuja função era ligar o jogo de Adrien (médio interior mais à esquerda) ao flanco direito do ataque. Combinava bem com Cedric e Wilson Eduardo na temporada passada. Foi desaparecendo aos poucos. Com Marco Silva tem jogado numa posição mais central à entrada da área como apoio pelo miolo a Slimani. (Como seria importante o Sporting ter um jogador que desequilibrasse pelo centro para o jogo não ser tão previsível de ver à equipa contrária!!). Sempre que pode, André Martins vai para a direita e desaparece de jogo.
Do peruano, conhecemos a experiência de um jogador que faz 1 jogo bom a cada 5 horríveis. Não jogando na esquerda perde uma interessante característica de jogo que executa bem: as incursões na área em drible do flanco esquerdo para o meio seguidas de remate ao 2º poste. Jogando na direita, contra equipas, como foi o caso do Maribor, cujos treinadores estudem bem o jogo do peruano, basta colocar o lateral a pressioná-lo assim que recebe a bola para o jogador prender e congelar qualquer jogada que o Sporting tente executar pelo seu flanco.

Em 3 meses no comando técnico do Sporting, a equipa não tem estabilidade defensiva, tem dois centrais que não são capazes de sair a jogar e com isso furar as primeiras linhas de pressão adversárias, um meio campo intermitente que é muito batalhador mas não é eficaz na recuperação de bola, na pressão a meio campo e na distribuição de jogo, um fio-de-jogo demasiado flanqueado e previsível (por isso é que Nani sempre que pode vem buscar a bola ao centro) que, à falta de pior, não consegue sequer colocar a bola em condições na sua referência atacante. Do trabalho do antigo técnico do Estoril salva-se apenas a lucidez que João Mario acrescenta ao jogo do Sporting sempre que entra, descobrindo boas soluções de passe, flanqueando o jogo com velocidade nos momentos em que a equipa tem superioridade numérica no flanco, e a evolução que o treinador está a tentar realizar na criação de desequlíbrios ao nível do miolo com as tentativas que tanto Nani como Mané fazem em tentar furar pela zona central em tabelinhas. A juntar à negativa e penosa circulação de jogo que tem que passar por toda a gente até se criar uma jogada digna de registo, há uma imensa falta de vontade de alguns jogadores permanecerem no clube aliada a uma falta de preparação física enorme de alguns jogadores.

Enquanto a equipa estiver a jogar a este nível, não vai muito longe. Numa competição como a Champions, todos os erros serão capitalizados pelo adversário. Se ontem, o Maribor não aproveitou para construir uma vitória algumas desconcentrações defensivas, não se espere por Alvalade que tanto o Chelsea como o Schalke sejam perdulários quando jogarem contra o Sporting. Medindo o actual estado do futebol leonino e o potencial das duas equipas, pode vir Bruno de Carvalho afirmar quantas vezes quiser que o objectivo é passar a fase-de-grupos. Não o conseguirá nem que a vaca tussa. Tomara até que não sejamos goleados em Inglaterra e na Alemanha.

Breves #10

sporting 4

Sporting – Mais um exemplo da excelente gestão de Bruno de Carvalho na SAD Leonina. A Sociedade Anónima Desportiva do clube de Alvalade informou a CMVM, nas habituais informações periódicas que esta pede para efectuar cruzamento de informações prestadas ao longo do ano civil (para efeitos fiscais só contam os resultados do ano fiscal; contudo, para cruzar a informação prestada, a entidade reguladora pede às sociedades anónimas desportivas informações sobre as contas e activos destas relativas aos 4 semestres e aos resultados operacionais de cada época desportiva, resultados que são contabilizados de 1 de Julho a 30 de Junho) – a informação prestada pela SAD leonina relativa à temporada desportiva 13\14 revela que a gestão do agora presidente do clube e principal administrador da SAD leonina conseguiu reverter um resultado negativo de 43,8 milhões de euros acumulado na temporada 12\13, valor que respeita em grande parte à administração de Godinho Lopes (Bruno de Carvalho assume a presidência em Março de 2013) para um saldo positivo de 368 mil euros.

O resultado explica-se em grande parte pela redução de orçamento do futebol leonino de 40 milhões de euros para 20 milhões de euros na primeira temporada de Bruno de Carvalho na presidência do clube, e pelas receitas angariadas com as vendas de atletas como Tiago Ilori, Bruma, Eric Dier, Fito Rinaudo, Elias e Marcos Rojo e as dispensas de excedentes com salários altíssimos como Khalid Bouhlarouz, Stijn Schaars, Bojinov, Zakaria Labyad, Jeffren Suarez e Oguchi Oneywu. Deste lote de jogadores, apenas o jogador holandês Labyad pertence aos quadros do Sporting, sendo o seu salário de 2 milhões de euros totalmente suportado pelo clube ao qual está emprestado por 2 temporadas, o Vitesse. Atletas como Jeffren Suarez, Diego Rubio, Fito Rinaudo já não pertencem aos quadros do Sporting, mantendo o clube o passe de alguns dos atletas fruto dos acordos de venda realizados com os clubes onde alinham actualmente os jogadores. Wilson Eduardo e Salim Cissé estão emprestados pelo clube.

A Sporting SAD comunicou ainda (vide informação prestada no site da CMVM) a compra de 80% dos direitos económicos de André Geraldes aos turcos do Instambul BB por 500 mil euros, de 85% dos direitos económicos do búlgaro Slavchev por 2,5 milhões, o pior investimento, na minha opinião, realizado pelos responsáveis leoninos neste defeso, visto que o jogador ainda não mostrou nível suficiente para jogar na equipa leonina e confirmar positivamente o investimento feito na sua aquisição, 1,8 milhões de euros por 90 % dos direitos económicos do central Paulo Oliveira, 1,25 pela totalidade dos direitos económicos do extremo cabo-verdiano Heldon, 966 mil euros pela totalidade do trinco Rosell e 750 mil euros pela totalidade dos passes do japonês Tanaka e do senegalês Salim Cissé.

As aquisições de Ryan Gauld (3 milhões de euros), Hedi Sack (1,2 milhões de euros), Naby Sarr (1 milhão de euros com uma clásula de mais 1 milhão respeitando determinados objectivos contratualizados com o Olympique Lyonnais), Jonathan Silva (2 milhões de euros) e Ramy Rabia (600 mil euros) não foram contabilizadas na temporada desportiva 13\14 pelo facto de já terem sido consumadas após a data de 30 de Junho, passando para as contas da presente temporada.

Ao nível de aquisições de direitos económicos de atletas pertencentes aos quadros do clube, a Sporting SAD adquiriu mais 20% dos direitos do lateral Jefferson (agora com 80% do passe do lateral-esquerdo), estando em aberto até ao final do mês a possível recompra de passes de jogadores em posse de fundos de investimento como William Carvalho, André Martins, Adrien Silva, Cedric Soares, Marcelo Boeck e Rui Patrício. Os activos poderão ter um valor de recompra fixado em perto de 30 milhões de euros.

No capítulo das renovações, a Sporting SAD não tem nenhum dossier urgente até ao final da presente temporada, apesar de já ter encetado negociações com o argelino Islam Slimani e Cedric Soares. O lateral-direito já terá rejeitado 2 propostas de renovação.

Liga de Clubes – A confusão anunciada no seu site pela troca de horários efectuada nas horas do jogo Vitória de Setúbal vs Benfica revelam bem o estado de confusão em que se encontra o organismo comandado por ora por Mario Figueiredo. Para bem da organização da principal competição do futebol nacional, é bom que finalmente se esclareçam todos os celeumas que levaram à impugnação das eleições realizadas há alguns meses atrás para o organismo de modo a que finalmente se possa repetir o escrutínio, facto que poderá trazer alguma estabilidade ao organismo e às competições por este organizadas. A Liga de Clubes continua, em virtude de ter sido chumbado o orçamento para a temporada 2013\2014 a viver sem orçamento. As dívidas do organismo perante terceiros acumulam-se ao ponto de por em causa a solvabilidade financeira da organização. Só à empresa Europcar, empresa fornecedora da frota automóvel do organismo em regime de renting, a Liga deverá ter um débito em falta de 2 milhões de euros.