Momentos #41

Aproveitando o facto de lhe ser conhecida uma faceta intelectual e uma cultura geral bastante acima da média, a Marca perguntou a Xabi Alonso no lançamento deste jogo qual seriam os estilos de musica se existisse um termo de comparação possível entre a arte musical e a arte do futebol para as equipas de Bayern e Real Madrid. O jogador de 33 anos respondeu de forma muito pertinente: o Real Madrid seria Rock´n´ Roll, descrevendo o jogo dos madridistas como vertiginoso e a sua atitude como um fenómeno popular similar ao rock´n´roll enquanto o estilo de jogo do Bayern se assemelharia ao Jazz, um estilo mais calmo, mais paciente, com um toque de charme e classe superior, mas, quando acelerado, também ele vertiginoso e avassalador.

A prestação dos bávaros em Roma foi parecido com o heavy metal. Ao invés de se espancarem guitarras com sons estridentes, melodicamente bem construídos e bem executados tecnicamente, a equipa de Guardiola espancou literalmente a equipa da Roma (uma clara candidata a meu ver aos quartos-de-final da prova) com um futebol ofensivo avassalador, tão avassalador que motivou de imediato um pedido de desculpas por parte de Francesco Totti, Daniele DeRossi e Rudy Garcia aos seus adeptos na flash-interview (no caso do capitão) e post-match conference no caso do sub-capitão e do timoneiro da equipa.

A equipa do Bayern conseguiu alcançar 13 golos em duas partida. No fim-de-semana passado para a Bundesliga, a equipa de Guardiola já tinha espancado o lanterna vermelha da prova (Werder Bremen) com um esclarecedor 6-0.

Anúncios

breves #28

Liga de Clubes – A repetição do acto eleitoral para a direcção do organismo já tem uma nova data marcada: 27 de Outubro. Um dos candidatos no primeiro acto eleitoral, entretanto anulado, já anunciou que não irá concorrer no novo acto eleitoral. O ex-presidente do Nacional da Madeira Rui Alves (o vício jurídico na candidatura de Rui Alves encontrava-se no facto de não ter sido esclarecida a saída da SAD nacionalista, entretanto efectuada em prol de Margarida Camacho) anunciou hoje que não irá submeter-se a novo escrutínio.

Num comunicado divulgado durante o dia de hoje, Rui Alves afirma as razões que o levaram a construir um projecto para a direcção do organismo e esclarece que desiste do novo acto eleitoral porque o presidente da mesa da AG da Liga (Carlos Deus Pereira) não soube interpretar as diferenças entre inelegibilidades e incompatibilidade de candidatura ao cargo à luz dos estatutos do organismo.

Parece-me claro, pelo conhecimento de causa que o presidente do Nacional parece demonstrar em relação à injusta distribuição de verbas que é realizada no futebol português, em específico pela Liga de Clubes, uma das bandeiras programáticas de outro candidato, neste caso do seu actual presidente em funções (Mário de Figueiredo) que o voto do Nacional nas próximas eleições deverá cair neste.

albania

Federação Albanesa – O presidente da Federação Albanesa de Futebol pretende uma investigação séria e independente aos factos ocorridos na terça-feira em Belgrado no Sérvia vs Albânia. O líder do futebol albanês afirmou que os jogadores da dita selecção “foram alvo do lançamento de um pedaço de betão, pedras, moedas e isqueiros” antes e durante o decorrer da partida em Belgrado por parte dos adeptos sérvios assim como alvo de gritos estridentes por parte destes a desejar a morte aos Albaneses. Armando Duka afirma que acima de qualquer outra suspeita, os seus jogadores foram vítimas de um comportamento racista, xenófobo e violento por parte dos adeptos sérvios, realçando que aquando da saída da equipa para os balneários, alguns jogadores foram agredidos por agentes de segurança e outros agentes da Federação Sérvia que se encontravam à entrada para o túnel de acesso aos balneários.

Michel Platini – Mais uma ideia louca capaz de estragar o futebol do líder da UEFA. Platini defende que as equipas possam fazer 5 substituições durante a partida. Por um lado concordo com a ideia mas por outro lado é uma ideia que poderá fomentar o anti-jogo, sendo que, nesta ideia, advoga a possibilidade das equipas fazerem duas substituições ao intervalo e 3 durante o decorrer do jogo.

O líder da UEFA também defendeu hoje no lançamento do livro de sua autoria “Parlons Football”, onde de resto apresenta estas e outras tantas ideias para “revolucionar” o futebol, a existência de um cartão branco, um novo cartão que serviria de punição intermédia entre o amarelo e o vermelho, garantindo uma sanção de 10 minutos ao jogador ao qual fosse exibido esse cartão por constantes protestos contra a actuação do árbitro. Este cartão, segundo o presidente da UEFA, servirá somente para estes propósitos que se estão a tornar, segundo palavras do próprio “uma epidemia no futebol mundial”. Não considero também uma ideia válida. Para punir estes actos já existe o cartão amarelo. Basta apenas que os árbitros sejam mais rigorosos no acto de mostrar o cartão a quem prevarique constantemente no decurso das partidas e alguma coragem para expulsar os jogadores que continuem a protestar com veemência depois de receberem um amarelo.

O presidente da UEFA também defendeu a possibilidade dos juízes de baliza entrarem dentro do campo para avaliar mais decisões do que aquelas que se passam na grande área assim como advogou a necessidade de eliminar com a “tripla penalização” (penalty, expulsão directa e suspensão) sempre que um jogador indiferenciado travar um oponente na área como último defesa. Esta última ideia é absolutamente ridícula constituíndo-se quase como um benefício para os infractores.

Michel Platini 2 – O presidente da UEFA aproveitou a ocasião para lançar umas farpas à perpetuação de Blatter na presidência da FIFA: “A FIFA funciona muitas vezes como uma máquina eleitoral ao serviço da manutenção de um homem. (…) É a sua principal característica (…) Não virá desta longa prática do poder uma vontade e uma capacidade de o conservar a todo custo?”

“A FIFA prospera graças ao maná que representa o Campeonato do Mundo de futebol, a cada quatro anos, mas ao mesmo tempo tem as federações [na mão] através da redistribuição deste mesmo maná. “Com mais de quatro mil milhões de dólares em receitas geradas pelo Mundial de 2014, não é normal que o programa Goal (investimentos em infraestruturas) tenha um orçamento anual ridículo, abaixo dos 40 milhões de dólares” – criticou com toda a razão o líder da UEFA. Acrescento mais: com 40 milhões de dólares, quase todos cativos para investimentos em infra-estruturas nos países mais desenvolvidos na modalidade quando deveriam ser investidos na sua maioria nos países que não possuem (boas) infra-estruturas para a prática desportiva.

William Carvalho –

william

O site italiano TuttoMercato publicou hoje uma notícia que dá conta do interesse do Milan no trinco leonino. Segundo o referido site, Adriano Galliani estará disposto a arranjar 35 milhões para fazer uma proposta ao Sporting pelo internacional português. O passe de William Carvalho está na posse do Sporting (60%) e pelo fundo Sporting Portugal Fund, fundo que era até há bem pouco tempo detido e gerido pela Espirito Santo Fundos de Investimento, agora pertença do Novo Banco. Foi este o fundo que adquiriu 40% dos direitos de económicos do jogador em Agosto de 2011 já sob a presidência de Godinho Lopes por 400 mil euros. O Sporting ainda não conseguiu negociar a recompra desta percentagem dos direitos económicos do jogador que tem contrato com a equipa leonina até 2018 e uma clásula de rescisão (não-negociável por Bruno de Carvalho numa possível transferência para outro clube) de 45 milhões de euros.

APAF – José Fontelas Gomes afirmou hoje que a Liga de Clubes se comprometeu a pagar os 25% dos salários em falta (desde Setembro) e prémios de jogo aos árbitros dos escalões profissionais.

Liga de Clubes 2 – A Liga de Clubes vive com enormes carências financeiras. O organismo não tem os seus orçamentos relativos a esta e à temporada passada aprovados pelos clubes. Gasta cerca de 12 milhões de euros na organização das provas oficiais que organiza (Liga e Taça da Liga), menos 9 milhões que as suas receitas.

Rolando – O Inter tentou negociar com o FC Porto nos últimos dias a desvinculação do central português. Rolando quer sair do FC Porto visto que não é opção para Lopetegui. Falou-se da possibilidade de ser emprestado na reabertura de mercado ao West Bromwich Albion da Premier League, equipa onde joga actualmente Silvestre Varela.

O director-geral do Inter Piero Ausilio não chegou a bom porto nas negociações com a SAD Portista: “”Rolando tem 29 anos e contrato até 2016. O FC Porto não o liberta e eu não pretendo voltar a negociar com eles” – disse o dirigente nerazzurri ao TuttoSport.

Selecção Romena – Apesar do 2º lugar do grupo de apuramento para o Euro 2016 e da conquista de 7 pontos em 9 possíveis, Victor Piturca e a Federação Romena decidiram terminar por mútuo acordo o contrato do treinador com a Federação Romena sem justificação aparente, poucos dias após o empate contra a Hungria (1-1) e a vitória na Finlândia (0-2). Lazlo Boloni, Cosmin Contra e Dan Petrescu são os 3 grandes candidatos à posição de seleccionador romeno.

Under-21 Premier League Internacional Cup – Já estão lançadas as bases para a primeira grande competição internacional no escalão de sub-21. A competição irá disputar-se em Inglaterra em Janeiro. FC Porto e Benfica são os únicos representantes lusos na prova que irá contar com a participação de clubes como Chelsea, Norwich, Manchester City, Schalke 04, Leicester, Borussia de Moenchagladbach, Fulham, West Ham, Everton, Sunderland, SV Eindhoven, Celtic e Villarreal.

Daniel Wass – O antigo jogador dinamarquês do Benfica Daniel Wass (passou pelo clube da Luz sem ter feito qualquer jogo oficial), jogador do Evian da Ligue 1, despertou a cobiça de Brandon Rodgers e José Mourinho. O defesa\médio direito está em alta neste início de temporada.

Lucas Ocampos – O Daily Mail dá conta que o Chelsea estará interessado no argentino que o Mónaco recrutou em 2012 ao River Plate. Os Blues estarão dispostos a oferecer 22 milhões de euros ao clube monegasco já na reabertura de mercado em Janeiro.

Dante – A viver na Alemanha há 8 anos, o central do Bayern de Munique revelou que pretende tornar-se cidadão alemão. Quero tornar-me alemão. Gostaria de permanecer na Alemanha após o fim da carreira e isso seria mais fácil se tivesse passaporte” – o jogador aproveitou também a entrevista concedida ao Bild para afirmar que não tem certeza do seu regresso à selecção. Com Dunga no comando técnico da selecção, o central nunca mais voltou a ser convocado.

thiago alcantara

Thiago Alcântara – O jogador espanhol do Bayern de Munique sofreu uma nova lesão queo irá retirar dos relvados por um longo e indeterminado período de tempo. O médio voltou a sofrer a mesma lesão que já o tinha retirado dos relvados por vários meses (e impedido de participar no campeonato do mundo) ou seja, uma rotura parcial do ligamento interno do joelho direito. Foi submetido a uma intervenção cirurgica na terça-feira e irá enfrentar um longo período de recuperação. O jogador afirmou nas redes sociais que vai continuar a lutar para regressar em grande aos relvados.

John O´Shea – O internacional irlandês de 33 anos, capitão do Southampton, renovou com o clube até 2017.

William Gallas –

gallas

O defesa francês anunciou hoje o final da carreira ao L´Equipe. Aos 37 anos, Gallas estava a jogar no Perth Glory da Liga Australiana. O polivalente defesa formado nas escolas do Racing Colombes 92 de Paris e no Centro Técnico Nacional de Formação Francesa de Clairefontaine jogou ao mais alto nível durante 19 anos no Caen, Marselha, Chelsea, Arsenal, Tottenham e Perth Glory. Foi internacional sub-20, sub-21 e AA pela França por 98 vezes (84 delas AA). Ganhou a Ligue 2 pelo Caen em 1996, 2 Premier League ao serviço do Chelsea com José Mourinho (Gallas chegou a ter problemas com Mourinho pelo facto de não querer actuar como defesa esquerdo), uma Taça da Liga pelo Chelsea em 2005, uma Supertaça Inglaterra em 2005 e uma Taça das Confederações pela Selecção Francesa em 2003. Viveu os seus tempos áureos como jogador a central (era impetuoso, muito agressivo, forte no jogo aéreo, muito faltoso mas também muito irregular) no Arsenal de Wenger entre 2006 e 2010.

Juventus – O TuttoSport adiantou em primeira mão ontem que os históricos proprietários da Juventus (a família Agnelli sob a responsabilidade de Andrea Agnelli) pretendem adquirir o controlo de uma SAD em Portugal para servir de clube satélite da Juve. Aproveitando as potencialidades que o futebol português oferece no desenvolvimento de jogadores com potencial, existe uma hipótese da família Agnelli assumir o controlo de um clube da 1ª liga para rodar jogadores por empréstimo da Juve, colocar jogadores extra-comunitários sem espaço nos quadros do clube de Turim ou contratar e rodar jovens talentos que tem saído da formação nacional. O site aponta o Belenenses e o Boavista como possíveis candidatos à recepção de uma proposta por parte dos holders do grupo FIAT. A família Agnelli terá 5 milhões para investir a curto prazo no clube que adquirir. O Granada, clube detido pela família Pozzo (detentora também da SPA da Udinese) é outra das hipóteses que estará a ser equacionada.

CAN – Mesmo apesar do Ministério do Desporto Marroquino ter enviado para a Confederação Africana de Futebol um pedido de adiamento para a competição (que se irá disputar em Janeiro e Fevereiro naquele país) por causa da epidemia de Ébola que tem assolado todo o continente, a entidade que tutela o futebol africano prometeu analisar o pedido no dia 2 de Novembro na reunião que irá ter lugar na Argélia mas afiançou que este não terá grandes probabilidades de diferimento.

A Organização da Prova, a cargo do Ministério do Desporto Marroquino, veio hoje afirmar que a prova não se irá realizar em território marroquino devido à epidemia.

“Vimo-nos obrigados a retirar-nos como sede da Taça de África das Nações de 2015, com efeito imediato, com o intuito de preservar a saúde dos nossos cidadãos. estamos dispostos a assumir as consequências”, declarou uma fonte do Ministério dos Desportos de Marrocos ao portal Supersport. A organização deu 3 soluções à CAF: adiar a prova para 2016, assumir a realização da prova de 2017 ou renunciar totalmente e assumir as consequências ao nível desportivo. A renúncia pode implicar uma sanção que impeça selecções e clubes marroquinos de participar nas provas organizadas pela CAF durante 6 anos.

Marrocos também detém neste momento os direitos de organização do Campeonato do Mundo de Clubes no próximo mês de Dezembro. Contudo, como a prova não deve ser afectada por um fluxo migratório considerável de cidadãos oriundos de países a braços com fortes surtos epidémicos, esta não está em risco.

O Olheiro #8 – Martin Odegaard

O jovem de 15 anos do Stromsgodset tornou-se viral nos últimos dias graças a estes 6 minutos de video.

Tentei descobrir mais informações na internet sobre este talento de palmo e meio até que descobri que para além de ter sido o mais jovem jogador a estrear-se na Tippaeliguen aos 15 anos, já se estreou pela selecção norueguesa a 27 de Agosto deste ano num amigável frente aos Emirados Árabes Unidos. Assim como já fez visitas regulares à Academia do Bayern de Munique e do Manchester United. Quem neste momento está a fazer mais pressão sobre o atleta é o Barcelona. Apesar de estarem impedidos de inscrever jogadores até Janeiro de 2016 em virtude de terem cometido várias irregularidades (contra as regras da FIFA) na inscrição de menores de idade entre 2009 e 2013, a equipa catalã estará a tentar dissuadir o jogador norueguês a não se transferir até à janela de mercado de 2016 (os catalães foram impedidos de inscrever jogadores durante 2 janelas de mercado, ou seja, a de inverno e a do próximo verão – aguardam a decisão do recurso interposto junto do Comité de Apelo da FIFA) para assim rumar ao clube catalão.

 

Crónica #16 – CSKA 0-1 Bayern de Munique

No Khimkhi Arena, nos arredores de Moscovo, palco escolhido pelos dirigentes do CSKA para a realizar o jogo desta 2ª jornada da Champions em campo neutro à porta fechada em virtude dos desacatos cometidos pelos seus adeptos em Roma na 1ª jornada da competição, o Bayern de Munique de Pep Guardiola venceu com relativa facilidade a turma russa por 1-0.

Do lado russo, Leonid Slutsky viu-se confrontado com muitas adversidades dentro do seu plantel. A equipa russa pretendia limpar a péssima imagem deixada no Olímpico da capital romana, local onde foi goleada por 5-1 pela turma orientada por Rudy Garcia. Já a equipa de Pep Guardiola encarava este encontro de forma tranquila depois de ter vencido o Manchester City por 1-0 no Allianz Arena com um golo de Jerome Boateng nos últimos minutos a esconder uma exibição sofrível dos bávaros.

Com muitos ausentes devido a lesões, alguns importantes na manobra ofensiva da equipa como é Alan Dzagoev, o treinador do campeão russo só convocou 16 atletas para a partida. Apresentando um onze composto por Akinfeev na baliza; um eixo defensivo composto pelo brasileiro Mario Fernandes na direita, Vasily Berezutski, Sergei Ignashevic e Schennikov na esquerda; Alexei Berezutski como trinco, Milanov na esquerda, o israelita Natcho atrás dos avançados e Zoran Tosic na direita e uma frente de ataque composta pelo nigeriano Ahmed Musa e Roman Eremenko, o treinador russo visava dar alguma luta ao Bayern de Munique de Guardiola, a contas ainda com algumas ausências de peso na equipa como são Jerome Boateng, Franck Ribery ou Bastian Schweinsteiger.
Alinhando no sistema táctico que tem trabalhado desde o início da época, o catalão escalonou para esta partida: Neuer, Benatia, Dante, Alaba; Lahm, Alonso; Bernat, Muller, Robben, Gotze; Muller e Lewadowski. Motivo de destaque nesta equipa do Bayern é sem dúvida a versatilidade que Guardiola tem pretendido tirar de vários jogadores ao longo das partidas em que, devido às constantes trocas posicionais, são chamados a desempenhar várias posições no terreno e consequentemente às várias funções designadas pelo treinador nessas mesmas posições. Os jogadores do Bayern tem correspondido minimamente à ideia que está a ser sobejamente idealizada e trabalhada pelo seu treinador. Sem um jogador no lado direito, cabia a Benatia descair para a direita para defender Milanov, devidamente compensado e apoiado por Philipp Lahm. Sempre que Benatia ia a esse flanco fechar, Alaba fechava no seu centro; contudo, o austíaco alinhou quase sempre na posição de médio interior esquerdo, auxiliando Xabi Alonso e Phillip Lahm na construção de jogo e, descaíndo para o lado esquerdo de forma a criar desequilíbrios junto do ala esquerdo Juan Bernat. Na frente nada de novo: Muller com as suas habituais movimentações fora-da-área, Gotze a cair nas duas alas e Robben preferencialmente no flanco direito com oportunidade para executar as suas maravilhosas flecções para zonas interiores em drible.

O Bayern controlou a partida através da sua posse de bola. Praticando o seu habitual jogo de paciência perante uma equipa russa que se foi fechando lá atrás da maneira que melhor soube, optando sair rapidamente no contragolpe, preferencialmente com passes em profundidade para a velocidade de Ahmed Musa.

Nos primeiros minutos, a equipa germânica conseguiu construir algumas jogadas interessantes. Se nas primeiras oportunidades construídas, a equipa falhou na finalização e no último passe (aos 9″ quando Gotze dentro da área colheu um excelente cruzamento de Bernat na esquerda e atirou por cima da área; ou no minuto seguinte quando Robben flectiu do flanco direito para zona central em drible, rematando para defesa apertada de Akinfeev) sem que o CSKA conseguisse sair proficuamente do seu meio-campo (excepto numa ocasião em que Milanov rematou para defesa fácil de Neuer depois de uma jogada construída na direita por Tosic), aos 20″, Gotze desbloqueou a situação num lance em que ao tentar furar à entrada da área por uma cortina defensiva composta por jogadores da equipa russa, foi derrubado pelo lateral (adaptado) brasileiro Mário Fernandes. Fica somente a dúvida se a falta começa fora-da-área ou se existe continuidade da mesma para dentro da área. Na minha óptica, creio que começa fora-da-área mas continua dentro da caixa, havendo portanto lugar à marcação de grande penalidade.

Com um remate eficaz para o meio da baliza, Thomas Muller inaugurou o marcador.

Entre os 24″ e os 39″ minutos viriamos a assistir ao melhor momento da equipa russa na partida. Apesar de estar a ser dominada através das longuíssimas trocas de bola dos jogadores do meio-campo do Bayern e de jogadores como Natcho, Alexei Berezutski ou Roman Eremenko não terem conseguido sair em transições rápidas da forma mais desejável sempre que a equipa recuperava bola graças a uma pressão efectivíssima de Lahm, Alaba e Alonso no meio-campo, a equipa russa conseguiu durante estes 12 minutos ir à área do Bayern criar perigo, conquistar alguns cantos e ousar ameaçar a baliza de Neuer:
– quando aos 24″ o internacional finlandês de origem Russa Roman Eremenko tentou um remate em rotação já dentro da área que saiu por cima da baliza de Neuer.- quando aos 36″ Ahmed Musa, lançado em profundidade com uma bola longa ganha um despique na esquerda contra Mehdi Benatia, irrompe pela área dos bávaros e não consegue bater Neuer.
– aos 39″ Roman Eremenko manda uma bola à quina da trave da equipa alemã.

É certo que pelo meio, aos 26″ foi anulado um golo a Robert Lewandowski numa jogada de combinação muito vistosa ao primeiro toque entre Muller, Goetze e o avançado polaco. No momento da abertura de Muller para isolar o polaco este estava em fora-de-jogo.

A equipa de Guardiola podia inclusive ter ido para o intervalo a vencer por 2-0. Poucos minutos passados do maior ascendente dos russos na partida, mesmo a terminar a primeira parte, num lance em que Akinfeev foi rei: Robben recebeu a bola à entrada da área, entrou na caixa sob oposição do seu marcador directo (Schennikov) mas na hora de rematar foi perdulário e permitiu o corte ao lateral esquerdo internacional russo. Na sequência do corte do russo, a bola sobrou para Lewandowski que não conseguiu melhor que a Robben. Sobrando para uma terceira tentativa, a bola chega até Gotze. O alemão remata mas a bola é desviada por Sergei Ignashevic para as mãos de Akinfeev. O capitão da equipa russa, de 35 anos, foi um dos melhores em campo. Perante a sempre difícil postura de Lewandowski na partida, dentro da área, Sergei Ignashevic foi resolvendo com eficácia grande parte dos lances onde foi obrigado a intervir.

Na 2ª parte, o ritmo e a intensidade de jogo diminuiram. O Bayer continuou, na globalidade dos 45 minutos, a gerir a vantagem obtida no primeiro tempo através de uma pausada circulação de bola no meio-campo russo. Os russos arriscaram muito menos daquilo que tinham arriscado no primeiro tempo, limitando-se mais uma vez a bombear bolas longas à procura de Ahmed Musa e de Seydou Doumbia, entrado aos 65″ para o lugar do “ausente” Bebras Natcho. A equipa russa voltou a acusar dificultantes em suplantar a primeira linha de pressão dos bávaros e não conseguiu ter a rapidez necessária para ultrapassar o meio-campo com um futebol simples, de preferência com poucos toques no esférico.

Aos 52″ o lateral Schennikov esteve novamente muito bem a impedir um possível 2º golo dos alemães quando, chamado a fechar no centro do terreno impediu que Lewandowski finalizasse em potência na cara de Akinfeev após assistência perfeita de Mario Gotze. O internacional alemão, histórico da Mannschaft ad-eternum pelo golo decisivo que deu a vitória no Mundial deste ano, fez uma exibição muito interessante, recebendo tanto mais colado ao flanco esquerdo como ao flanco direito, flanco onde até chegou a entrar na área de influência de Arjen Robben (tabelou algumas vezes com o holandês).

O CSKA respondeu na sua única oportunidade na 2ª parte: lançado novamente em profundidade, Ahmed Musa tentou o remate frente aos dois centrais adversários vendo o seu remate bloqueado. O ressalto sobrou para Alaba com o austríaco a cometer um erro infantil dentro da área ao cabecear a bola para o lado onde apareceu novamente Musa a rematar. O austríaco emendou um erro com um desarme providencial ao remate do nigeriano.

Até ao final do jogo, já com Xherdan Shaqiri, Rafinha (Guardiola jogou pelo seguro colocando um lateral no flanco fraco do Real, flanco que foi explorado por Musa durante toda a partida) e posteriormente Cláudio Pizarro em campo, o Bayern retirou qualquer possibilidade do adversário tentar o empate através de uma posse de bola cuidada no meio-campo adversário, pertencendo até à equipa germânica o último lance de perigo na partida por intermédio do antigo extremo do Basileia. Shaqiri conseguiu-se isolar na cara de Akinfeev mas não conseguiu bater o mítico guarda-redes do CSKA. Akinfeev estorvou muito bem a acção do internacional suiço com a sua saída, fazendo com que este atirasse ligeiramente ao lado do seu poste direito. Akinfeev foi um dos melhores na partida. O melhor na partida foi na minha opinião Xabi Alonso. A sua qualidade de passe e a forma como pauta os ritmos de jogo desta equipa do Bayern assentam que nem uma luva nesta equipa. Do lado da equipa russa, Ahmed Musa empenhou-se imenso na partida mas foi muito perdulário para este nível nas 3 oportunidades que teve nos pés para empatar.  Manuel Neuer tem mérito numa delas com uma grande defesa aos pés do nigeriano.

Final de carreira para Badstuber?

badstuber

Holger Badstuber era, há 5 anos atrás, uma das maiores promessas do futebol alemão. Internacional jovem pela Alemanha, viu a época 2009\2010 ser a sua temporada de afirmação quando, no mais profundo desespero provocado por um mau arranque de temporada, Louis van Gaal viu na cantera do clube bávaro um novo balão de oxigénio capaz de inverter a tendência até então demonstrada.

Em 2012, uma grave lesão no joelho nos ligamentos do joelho direito levou o então jogador de 23 anos (nascido em 1989) a 593 dias consecutivos sem poder alinhar pela sua equipa e à morte de um sonho que nunca foi escondido pelo jogador: jogar o campeonato do mundo de 2014 pela selecção alemã.

No início desta temporada, a imprensa internacional afirmou que o regresso do agora jogador de 25 anos seria a melhor contratação da temporada para Guardiola. O espanhol apercebeu-se que o jogador, em condições, tinha lugar no esquema de 3 centrais da equipa germanica, mesmo perante a concorrência apertada de jogadores como Dante, Jerome Boateng, David Alaba (adaptado a central por Guardiola) ou Javi Martinez (jogador que terá que enfrentar um longo período de lesão depois de ter contraído uma lesão grave contra o Borussia de Dortmund no jogo da Supertaça Alemã). Tendo sido titular nas primeiras duas jornadas da Bundesliga, o jogador voltou a lesionar-se com gravidade no sábado, desta feita num dos tendões de aquiles, enfrentando uma paragem estimada de alguns meses.

A imprensa alemã tem advogado durante esta semana a possibilidade do jogador alemão anunciar a sua retirada do futebol profissional. Contudo, o jogador já provou por várias vezes uma imensa força mental capaz de superar os piores momentos e voltar às grandes luzes da ribalta.

– Holger Badstuber é, acima de tudo um grande ídolo da claque do Bayern. Tanto que, na quarta-feira, os adeptos bávaros a meio da 2ª parte do jogo contra o Manchester City fizeram erguer no topo sul do Allianz Arena três tarjas com palavras de alento ao seu jogador. O clube forte que é o Bayern jamais desistirá do seu jogador pela ligação afectuosa que este tem ao clube e aos seus adeptos.

– O percurso de vida de Badstuber é só por si inspirador e demonstra a coragem e a vontade de vencer que o jogador revela: o seu pai obrigava Holder e o seu irmão todos os sábados a visitar pessoas necessitadas nas cantinas sociais da cidade onde nasceu (Memmingen) de forma a que os dois filhos entendessem que na vida tudo só se consegue com esforço.
A educação do homem fez crescer um jogador humilde, trabalhador, que jamais desiste de lutar pelos seus sonhos quaisquer que sejam as suas limitações.

O jovem cresceu, assinou os seus primeiros contratos e o seu pai só não viu o jovem Holger estrear-se pela primeira equipa do Bayern porque um cancro o levou 3 meses antes de Van Gaal dar os primeiros minutos de jogo na Bundesliga. Afirmam os seus colegas na formação do Bayern que Holger é tão organizado e humilde que ainda hoje guarda as cópias de todos os contratos que assinou com o maior clube alemão. Frio e tímido na primeira abordagem com Van Gaal, consta-se que o holandês ficou fascinado com as características do jovem central. Forte no jogo aéreo, sereno a sair a jogar, hábil a desarmar sem falta e a acorrer ao adversário, fruto de um posicionamento exímio, apesar de ter colocado o jovem a jogar à esquerda para tapar o buraco deixado por duas contratações péssimas, escolhas pessoais do holandês (Danijel Pranjic e Edson Braafheid) o alemão não hesitou em dar-lhe minutos de jogo a central sempre que Daniel Van Buyten ou Martin Demichelis não podiam dar o seu contributo à equipa. Holger, assim como outros cantereiros saídos da equipa de reservas do Bayern (Diego Contento, Alaba, Muller) deram um novo ânimo às mudanças que o holandês realizou no clube e foram cruciais na obtenção do título de campeão da Bundesliga em 2011 e na campanha europeia dos bávaros que só terminou na final da Champions desse ano. Seria também importantíssimo na campanha europeia realizada pelo clube alemão no ano seguinte, que também culminou na final numa derrota contra o Chelsea.

A verdadeira doutrina social dos Badstuber, levou a que Holger decidisse abrir em 2012, pouco antes da sua primeira lesão, uma escola de futebol destinada à prática da modalidade por parte de crianças vindas de meios desfavorecidos.

Em Dezembro de 2012, uma lesão cuja paragem era prevista para 9 meses acabou por redundar em quase 2 anos de paragem. O jogador ultrapassou 5 cirurgias durante este período de tempo e nunca deixou de lutar pelo seu regresso. Em Janeiro de 2014 chegou a afirmar ao Bild que estava a lutar arduamente para poder regressar (sem ter jogado durante a temporada e perante uma concorrência enorme pelo eixo defensivo da selecção de Low composta por Howedes, Jerome Boateng, Mats Hummels ou Matthias Ginter) no Brasil à selecção. É portanto um jogador que mesmo no fundo do poço não se contenta em apenas regressar ao seu clube ao mais alto nível como em ser indiscutível de um país onde todos os anos surgem dezenas de possíveis convocáveis para a selecção.

Breves #11

Benfica 1 – Benfica e Jonas chegaram a acordo. O internacional brasileiro de 30 anos será reforço do Benfica, assinando pelo clube encarnado numa transferência a custo zero. Relembro que apesar do mercado de transferências ter sido encerrado no passado dia 1 de Setembro, a Liga Portuguesa assim como algumas ligas estrangeiras aceitam inscrições de jogadores que estejam sem contrato no momento da sua contratação. O Jornal A Bola bem como a TSF avançam que o jogador deverá ter reduzido o seu ordenado base em Valência em 40% para assinar pela equipa encarnada, podendo vir a auferir um valor próximo dos 600 mil euros anuais.

Benfica 2 – O Benfica inaugura a 4ª jornada da Liga Portuguesa no Bonfim, defrontando às 20:30 o renovado Vitória de Setúbal de Domingos Paciência.

Manchester United – Alguns órgãos de comunicação social britânicos tem afiançado que o Manchester United já terá inquirido o seu parceiro de negócios Jorge Mendes, empresário de Cristiano Ronaldo, quanto à possibilidade do astro português regressar à equipa britânica na próxima temporada. Os Red Devils deverão ter uma verba de 68 milhões disponível para oferecer ao Real Madrid pelos serviços do português. O Guardian afirma na sua edição online que Ronaldo não pretende mudar-se para Manchester, mas, tudo indica que Mendes já estará a tentar convencer o jogador a pressionar a direcção do Real a vendê-lo no próximo verão. A contratação de Ronaldo também poderá estar inserida na estratégia da Adidas, novo patrocinador do clube a partir da próxima temporada, para a América do Norte, região do globo onde a marca alemã tem vindo a perder alguma quota de mercado. A presença de Ronaldo em Manchester poderá enquadrar-se na estratégia de recuperação de perdas que a marca alemã pretende para aquele mercado.

Barcelona

barcelona 4

barcelona 5

A equipa catalã pediu autorização à Liga Espanhola para utilizar pela primeira vez em Nou Camp o equipamento Senyera, 3º equipamento do clube, no jogo deste fim-de-semana frente ao Athletic de Bilbao. Depois do Guardian ter afirmado que actuais e antigos jogadores da equipa catalã como Andrés Iniesta, Gerard Piqué, Carles Puyol, José Maria Bakero ou Sergi terem estado ontem na marcha pela independência que ocorreu nas ruas da cidade condal nos festejos do Dia Nacional da Catalunha, o clube negou ontem que a utilização de um equipamento com as históricas cores da bandeira catalã tenha interesses políticos. Contudo, o referendo da independência que será levado a cabo pelo governo regional catalão aos cidadãos daquela região está próximo.

Por mais que o clube catalão tente negar o seu envolvimento em jogadas políticas de cariz separatista e independentista, é inegável o seu papel na causa e o poder de mobilização que o clube tem junto da sociedade catalã.

Barcelona 2 – Xavi afirmou ontem que nos últimos dias de mercado recebeu uma chamada do seu antigo treinador no clube catalão Pep Guardiola onde este o tentou convencer a transferir-se para o clube bávaro. O técnico espanhol prometeu ao jogador, segundo palavras do próprio, dobrar o salário que actualmente aufere no clube culé. O fervoroso fã do Barcelona, único clube que conheceu na carreira de jogador, recusou a proposta e afirmou estar feliz com as suas novas funções no plantel orientado por Luis Enrique.